1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

União Africana: 300 vacas contra a crise

A União Africana decidiu esta semana enviar uma missão para atenuar a tensão crescente entre a Eritreia e o Djibuti. Mas a organização, dependente de doadores, precisa de financiamento. Robert Mugabe leiloou vacas.

Robert Mugabe sabe como dar nas vistas. Na segunda-feira (03.07), no início da 29ª Cimeira bianual da União Africana (UA) em Adis Abeba, o Presidente do Zimbabué entregou um cheque de um milhão de dólares norte-americanos à organização, que angariou num leilão de 300 vacas.

O chefe de Estado zimbabueano já tinha prometido fazer o donativo em 2005, pois, segundo disse, África precisa, de uma vez por todas, de se tornar independente financeira e politicamente: "Como africano e agricultor, para mim, é natural doar gado", afirmou Mugabe. "O nosso continente é rico em vacas, é a nossa riqueza." A ideia inicial do Presidente terá sido levar a manada para a sede da União Africana, mas terá depois sido informado de que não havia espaço suficiente e decidiu, por isso, fazer o leilão.

O dinheiro chega em boa hora. A União Africana depende financeiramente de doadores internacionais. Prevê gastar 782 milhões de dólares norte-americanos em 2017, mais 350 milhões do que no ano passado. Mas cerca de 60% do valor provém de doadores estrangeiros, incluindo a União Europeia e o Banco Mundial.

Ouvir o áudio 03:49

União Africana: 300 vacas contra a crise

Como fazer reformas?

Assim, foi criada uma comissão liderada pelo Presidente do Ruanda, Paul Kagame, para apresentar estratégias que conduzam a uma maior independência financeira.

Há um ano, os líderes da União Africana concordaram em impor uma taxa de 0,2% sobre algumas importações, com o objetivo de financiar os projetos da organização. Mas a medida não foi bem aceite por todos. A Nigéria, o Egito e a África do Sul recusam-se a aderir à proposta. Muitos Estados já pagam impostos semelhantes a organizações regionais, como a Comunidade Económica de Países da África Ocidental (CEDEAO). Além disso, também não houve consenso sobre os produtos em que a taxa seria aplicada.

Mas "a União Africana não tem outra hipótese que não seja implementar reformas", alerta o analista político queniano Agina Ojwang. "Com os EUA a cortar ajuda para organizações como a União Africana, e outros doadores, como os países da União Europeia, também com os seus problemas, a organização tem de encontrar urgentemente os seus próprios meios de financiamento."

Äthiopien 29. African Union Summit in Addis Abeba

Moussa Faki Mahamat diz que é preciso passar das palavras aos atos

O problema que se coloca é, como em muitos outros casos, a implementação das reformas, adverte Moussa Faki Mahamat, o novo presidente da Comissão da União Africana: "Temos o hábito de tomar um número infinito de decisões sobre várias questões sem considerar as medidas de implementação", diz. "A maioria dessas decisões acaba na gaveta. Todos concordam que isso é extremamente prejudicial para a credibilidade e a imagem da nossa organização."

Fome e outras crises

As críticas de Faki Mahamat, ex-chefe da diplomacia do Chade, não ficaram por aqui. Segundo o presidente da Comissão da União Africana, os Estados-membros da organização têm-se mostrado poucos solidários com países que enfrentam problemas de fome e de seca. Faki Mahamat ocupa o novo cargo desde janeiro, pouco depois de as Nações Unidas alertarem para a "maior crise humanitária desde o fim da Segunda Guerra Mundial". Segundo a ONU, 20 milhões de habitantes da Somália, Sudão do Sul ou Nigéria estão a passar fome. "Não posso esconder a minha frustração ao observar o silêncio e a inação dos africanos face a esta tragédia horrível da fome", afirmou o responsável. "O que aconteceu à solidariedade e fraternidade africana? Onde está a nossa sociedade civil?"

Hunger in Somalia

Pouca solidariedade africana?

A crise humanitária é, no entanto, apenas um dos muitos problemas que a União Africana enfrenta: o grupo radical Boko Haram continua a aterrorizar a Nigéria e os países vizinhos; na Líbia e na Somália, as estruturas estatais soçobram e, no Sudão do Sul, o mais novo país no mundo, a guerra perdura. Um dos objetivos da União Africana, e particularmente de Faki Mahamat, é acabar com os conflitos armados no continente até 2020.

Pelo menos, no final da cimeira, o presidente da Comissão da União Africana afirmou que enviará uma missão para atenuar a tensão crescente entre a Eritreia e o Djibuti, que disputam território na fronteira.

Não esquecer os jovens

Quase esquecido ficou o tema central da cimeira: O futuro da juventude africana. Cerca de 70% dos africanos têm uma idade inferior a 35 anos. Mas, devido às crises políticas e às altas taxas de desemprego, milhares de jovens saíram do continente. Em 2016 chegaram à costa italiana cerca de 180 mil refugiados africanos, vindos da Líbia, e observadores acreditam que este ano o número possa ser bastante superior. Além disso, milhões de africanos estão em fuga no continente. "E os jovens sem emprego também constituem um risco de segurança", diz Agina Ojwang. "Porque são esses jovens que organizações como o Boko Haram e outros fundamentalistas recrutam." Por isso mesmo, segundo o analista, é preciso criar oportunidades e um espaço de diálogo.

"Uma juventude com formação, que pode desenvolver o seu potencial" é a chave para a "paz e estabilidade no continente", assinalou o chefe de Estado da Guiné-Conacri e presidente da União Africana, Alpha Condé, durante um discurso. É necessário "convencer os jovens de que África é o melhor lugar para se viver" e envolvê-los na tomada de decisões políticas. Não foram apresentados, contudo, projetos concretos sobre este assunto.

Com Coletta Wanjohi e Jane Ayeko-Kümmeth

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados