1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Umaro Sissoco é o novo primeiro-ministro da Guiné-Bissau

O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, nomeou esta sexta-feira (18.11.) Umaro Sissoco como novo primeiro-ministro do país.

O decreto presidencial acaba de ser lido na Rádio Difusão Nacional e, no preâmbulo, o chefe de Estado guineense considera cumpridos os preceitos constitucionais, bem como os compromissos estabelecidos no Acordo de Conacri para que seja formado "um Governo inclusivo" que permita "salvar a presente legislatura".

O Presidente guineense justifica a escolha com a necessidade de o novo executivo "ter apoio parlamentar ou pelo menos não ter a maioria contra ele".

Umaro Sissoco vai liderar o quinto Governo da legislatura iniciada em 2014.

O nome tinha sido proposto por José Mário Vaz aos partidos políticos no âmbito das negociações mediadas pela Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) para resolver a crise política na Guiné-Bissau - que levaram à assinatura do Acordo de Conacri.

Quem é Umaro Sissoco?

O novo primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco, de 44 anos, é um general na reserva das Forças Armadas guineenses, de acordo com o currículo fornecido à agência Lusa. 

No documento, apresenta-se como bacharel em Relações Internacionais pelo Instituto de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa. 

 A formação superior foi depois complementada com um mestrado pelo Instituto de Estudos Internacionais da Universidade Complutense de Madrid, bem como com outros estudos nas áreas militares e de defesa em Espanha, Bélgica e Israel. 

Umaro El Mokhtar Sissoco Embalo nasceu em Bissau a 23 de setembro de 1972 e tem mantido residência em Dacar, capital do Senegal. É conhecido pelas suas ligações a vários líderes africanos, nomeadamente chefes de Estado, e afirma-se também como a pessoa que trouxe o antigo líder líbio Muammar Kadhafi a Guiné-Bissau, durante algumas horas, em março de 2009. 

O currículo sublinha as suas ligações como antigo conselheiro de Kadhafi e de Blaise Compaoré, militar e político que liderou o Burkina Faso. 

Ouvir o áudio 03:33

Entrevista com Braima Darame, correspondente da DW África em Bissau

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados