1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Uganda: Comandante do Exército de Joseph Kony rende-se

As Forças Armadas do Uganda anunciaram a rendição de Michael Omona, um comandante sénior do Exército da Resistência do Senhor. Militares ugandeses acreditam que o grupo está a enfraquecer.

default

Tropas ugandesas perseguem membros da Exército da Resistência do Senhor

Michael Omona foi sequestrado com 12 anos e integrado como criança-soldado nas fileiras do Exército da Resistência do Senhor, liderado por Joseph Kony. Após 23 anos a trabalhar como informador de Kony, Omona escapou e rendeu-se às forças do Exército dos Estados Unidos a operar na República Centro-Africana.

"Fui sequestrado em 1994 e levado para o mato", afirma Omona. "Passado algum tempo, viemos para a República Centro-Africana. […] No mato, estive no departamento de informações, de 1995 até 2017."

O grupo rebelde combate o Governo ugandês há mais de 25 anos. Mas Omona promete agora trabalhar com o Executivo para encorajar outros a seguirem o seu exemplo e regressarem a casa.

Ouvir o áudio 03:38

Uganda: Comandante do Exército de Joseph Kony rende-se

Mais rendições?

O vice porta-voz das Forças Populares de Defesa do Uganda, Comandante Kiconco Tabaro, afirma que a rendição de Michael Omona é mais uma prova de que as operações contra os rebeldes estão a produzir resultados.

"Quando altos oficiais desertam o Exército da Resistência do Senhor, é um sinal de que a capacidade do grupo foi enfraquecida", comenta.

"Todos os nossos esforços estão voltados para acabar com a loucura do Exército da Resistência do Senhor. Pedimos a todos os rebeldes que saiam do mato."

Militares do Uganda e dos Estados Unidos têm estado a lançar panfletos nas selvas da República Centro-Africana, pedindo aos rebeldes que se rendam e que tentem obter amnistia.

John Baptist Odama, arcebispo da diocese de Gulu, espera igualmente que Omona não seja o último a render-se.

"Esperamos que mais rebeldes saiam do mato e se entreguem, continuem com a nossa benção e apoio", diz o arcebispo, que tem estado na linha da frente da mediação entre o Governo e os rebeldes para tentar alcançar uma solução pacífica para o fim da insurgência de Kony.

USA unterstützen Uganda bei der Jagt auf Joseph Kony

Tropas norte-americanas têm apoiado militares ugandeses na procura de militantes do Exército da Resistência do Senhor

Amnistia?

Omona, agora com 35 anos, voltou para casa, em Gulu. O seu regresso acontece numa altura em que especialistas legais estão a tentar encontrar um mecanismo que garanta o perdão das vítimas da guerra a todos os rebeldes que regressam.

Uma das conselheiras do Ministério da Justiça do Uganda, Margaret Ajok, explica que o programa de amnistia vai agora começar a envolver as vítimas: "Devemos ter uma amnistia responsável, que permita a procura do perdão junto das pessoas que sentem que foram prejudicadas. Se os rebeldes procurarem o perdão, receberem a amnistia e forem perdoados pelas vítimas, será mais fácil reintegrá-los na comunidade."

Desde que as forças norte-americanas se juntaram às Forças Populares de Defesa do Uganda, na República Centro-Africana, os sequestros de civis diminuíram significativamente.

Um dos aliados mais próximos de Joseph Kony, Dominic Ongwen, rendeu-se em 2015 e está a ser julgado no Tribunal Penal Internacional, em Haia. Kony continua a ser procurado por crimes contra a humanidade.

Áudios e vídeos relacionados