UE envia missão de peritos para eleições em Angola | NOTÍCIAS | DW | 28.07.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

UE envia missão de peritos para eleições em Angola

Por falta de acordo com o Governo de Luanda, a União Europeia (UE) não enviará uma missão de observadores para as eleições de 23 de agosto, apenas alguns peritos, sem lugar a relatório oficial ou declarações políticas.

O convite do Presidente cessante José Eduardo dos Santos para a UE enviar uma missão de observação eleitoral só chegou a Bruxelas no dia 27 de junho e não houve tempo para preparar a deslocação de uma equipa de observadores, "uma vez que os aspetos logísticos devem ser tratados muito antes das eleições através de um memorando de entendimento", disse à agência de notícias Lusa fonte comunitária.

Bruxelas ofereceu-se, no âmbito da "excelente parceria com Angola", para enviar uma missão de peritos eleitorais, "para estar presente durante todo o processo eleitoral". Ao contrário do que acontece com a missão de observação, a  missão de peritos não contempla qualquer declaração política final nem relatório oficial para divulgação.

Recentemente, o ministro das Relações Exteriores de Angola, Georges Chikoti, disse que o Governo angolano não aceitaria acordos específicos com as organizações convidadas a observar as eleições gerais.

George Chikoti: Não pretendemos dar lições em termos de eleições

George Chikoti: "Não pretendemos dar lições em termos de eleições"

O chefe da diplomacia angolana comentava o pedido da UE para a assinatura de um memorando de entendimento prévio para observar as eleições angolanas, pretensão que foi recusada.

"O convite é aberto. Mas não queremos quaisquer acordos específicos com cada uma destas organizações. Quem quiser vir, vem e quem não quiser, pode não vir, mas o certo é que o convite é aberto", disse Georges Chikoti.

A União Europeia foi uma das entidades convidadas pela Comissão Nacional Eleitoral (CNE), indicadas pelo Presidente da República, para observar as eleições gerais angolanas, entre outras, a União Africana (UA), a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC).

Exigências de segurança

Segundo o ministro, o memorando proposto pela União Europeia previa a circulação e visita dos observadores em todo o território nacional, exigindo ainda segurança, elemento com que, disse Chikoti, o Governo angolano se comprometeu. "Mas isso não leva a que tenhamos de assinar um memorando de entendimento com qualquer dos observadores", frisou o ministro, afirmando que as únicas instituições com as quais Angola tem tratados específicos sobre observação eleitoral são a UA e a SADC.

"Fora destas, não temos obrigações com outras. É assim que o continente funciona em matéria de eleições. E não esperamos que alguém nos vá impor a sua maneira de olhar as eleições e nos dar alguma lição, como também não pretendemos dar lições em termos de eleições", disse.

Na segunda-feira (24.07), o representante da UE em Luanda, Tomas Ulicny, reiterou a disponibilidade europeia para enviar uma equipa de observadores, mesmo com a indisponibilidade do Governo angolano para um acordo específico, mas sem adiantar mais informação.

Contrariamente às eleições de 2008, a UE não enviou qualquer missão de observadores no ato eleitoral de 2012, tendo estado presente com apenas dois peritos.

Leia mais