1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

UE apela a união de esforços com África para solucionar crise de refugiados

Os líderes da União Europeia (UE) aprovaram, esta quinta-feira, um fundo de 1,8 mil milhões de euros. O objetivo é combater, no continente africano, as causas da migração em massa para a Europa.

Cerca de 50 líderes europeus e africanos reúnem-se, esta quinta-feira (12.11), em Malta no segundo e último dia de uma cimeira de cooperação para conter a crise migratória. Só este ano 800 mil pessoas atravessaram o Mar Mediterrâneo para vir para a Europa, de acordo com a Organização Internacional para as Migrações.

A Comissão Europeia está a criar um fundo de 1,8 mil milhões de euros para combater as causas da migração em África, como a pobreza e os conflitos armados. O fundo foi aprovado esta quinta-feira pelos líderes europeus. Segundo a Comissão, até agora foram angariados cerca de 78,2 milhões, disponibilizados por 25 dos 28 Estados-membros da União Europeia (UE) e ainda pela Suíça e Noruega.

Malta EU-Afrika-Gipfel in Valletta

Presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, à chegada à cimeira em La Valletta, capital de Malta

"Uma das nossas maiores responsabilidades é responder às causas dessas movimentações que estamos a ver", afirmou o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, no primeiro dia da cimeira. "É nosso dever enquanto líderes assegurar que as pessoas não sentem a necessidade de arriscar as suas vidas para alcançar as suas aspirações. Isso significa unir esforços para prevenir e parar conflitos e ajudar os países a construir sistemas de Governo responsáveis e abertos e que respeitem os direitos humanos."

Para a chanceler alemã, deve-se avançar com um plano de ação dos dois lados.

"Esse plano de ação deve combater a migração ilegal e prover mais possibilidades de trabalho regularizado na Europa, assim como melhorar a ajuda para o desenvolvimento", afirmou Angela Merkel. "Mas isso também obriga os líderes africanos a lidar com seus cidadãos de forma a proporcionar às gerações jovens oportunidades de futuro. Os líderes devem combater a pobreza e a falta de transparência."

Os líderes europeus negoceiam com o Níger, principal rota de migrantes que seguem para a Líbia para cruzar o Mediterrâneo em direção à Europa, e também esperam alcançar acordos com Marrocos, Tunísia e Egito.

Malta EU Afrika Gipfel in Valetta

Chanceler alemã Angela Merkel (esq.) e presidente da Comissão da União Africana, Nkosazana Dhlamini-Zuma

UE também é culpada, diz UA

A presidente da Comissão da União Africana (UA), Nkosazana Dhlamini-Zuma, afirmou que a Europa também é culpada pela atual crise.

"O problema que enfrentamos hoje é, em parte, causado por alguns países europeus que têm uma abordagem de isolamento. Nenhum lugar no mundo pode ser uma fortaleza. Devemos estar abertos à migração regularizada", disse Dhlamini-Zuma.

O diplomata nigeriano Dahiru Suleiman responsabiliza a Europa pela instabilidade política e económica em África.

"O êxodo em massa de África resulta de uma total falha dos líderes políticos africanos, mas os europeus não são muito inocentes da miséria. Afinal, há décadas que eles apoiam esses mesmos líderes e, em contrapartida, os ditadores africanos estacionam o dinheiro que roubam em bancos europeus."

Foum Kimara, analista político tanzaniano, atribui responsabilidades à Europa:

Ouvir o áudio 03:07

UE apela a união de esforços com África para solucionar crise de refugiados

"As causas do êxodo em massa residem, principalmente, no facto de alguns países europeus mergulharem os países africanos no caos e na guerra. E agora ficam surpresos com as pessoas a fugir e procurar asilo na Europa. A solução só pode ser a Europa tentar restaurar a paz nos países em causa. Esta é a única solução sustentável para o problema dos refugiados."

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados