Turismo e natureza de mãos dadas em Moçambique | NOTÍCIAS | DW | 07.06.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Turismo e natureza de mãos dadas em Moçambique

Maputo acolhe a conferência internacional Turismo Baseado na Natureza. O encontro junta académicos e especialistas de 25 países para debater a conservação da biodiversidade no mundo.

Na abertura da conferência de três dias, esta quinta-feira (07.06), o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, apontou como principais desafios para o desenvolvimento do turismo no país a eliminação da corrupção e da burocracia que bloqueiam o ambiente são de negócios e inibem os investimentos do setor privado.

Nyusi indicou algumas medidas que o Governo está a levar a cabo para impulsionar a cadeia de valor do turismo, de modo a tornar este sector um dos principais pilares de desenvolvimento do país: "Liberalizámos o espaço aéreo nacional para voos internacionais diretos para Moçambique e voos domésticos e criámos facilidades de obtenção de vistos de turismo nos pontos de entrada".

A conservação da natureza é também um dos pontos em destaque. "O processo em curso de reabilitação dos nossos parques e reservas coloca Moçambique no roteiro mundial de áreas com destaque para a conservação de referência", disse Nyusi.

Investir na conservação

As áreas de conservação em Moçambique ocupam 25% do território, o que correspondente a cerca de 200 mil metros quadrados.

Ouvir o áudio 02:30
Ao vivo agora
02:30 min

Turismo e natureza de mãos dadas em Moçambique

"Como forma de melhor conviver com a natureza, estamos a realizar mais estudos de investigação que têm revelado descobertas de novas espécies de plantas, insetos, novas espécies de morcegos. Temos estado a devolver um efetivo de fauna com mais de quatro mil animais reintroduzidos nos parques e reservas nacionais desde 2015", sublinhou o Presidente moçambicano.

Presente no encontro, Peter Lindsey, da Wildfile Conservation Network, defendeu que o continente deve investir na conservação, com o envolvimento não só dos governos, mas também das ONG e de outros parceiros. Segundo Lindsey, muitos países estão a perder a vida selvagem por falta de fundos para a sua proteção.

Envolver as comunidades

Também o antigo Presidente do Botsuana Ian Kama defendeu o investimento na proteção: "Para África continuar a beneficiar dos recursos naturais que possui, deve proteger a sua terra, e, depois, tornar os ganhos do turismo em coisas tangíveis, com investimentos em infra-estruturas", sublinhou.

Por outro lado, acrescentou Ian Kama, "é importante que a natureza seja utilizada para o benefício da comunidade e para a erradicação da pobreza".

Mosambik - Gorongosa National Park

Parque Nacional da Gorongosa

Na mesma linha, Luke Bailes, fundador da Singita, defendeu que as comunidades devem ser envolvidas na conservação da natureza, de modo a combater a caça furtiva.

Em Moçambique, as populações que vivem em redor dos parques e reservas beneficiam de 20% das receitas geradas nas respectivas áreas.

As áreas de conservação produziram em 2017 receitas que atingiram um montante equivalente a cerca de um milhão e quatrocentos mil euros, representando um aumento de 30% comparativamente aos dois anos anteriores.

O diretor-geral da Administração Nacional das Áreas de Conservação em Moçambique, Mateus Mutemba, reconhece que a problemática da caça furtiva está no topo da agenda, mas refere que este "já é um problema que é abordado de forma multissectorial". "Há intervenções que estão a ser feitas quer do ponto de vista de educação e sensibilização como também intervenções que estão orientadas para a aplicação da lei", sublinha.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados