1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Tristeza e raiva na Nigéria após ataque contra centro comercial

As testemunhas ficaram chocadas com a explosão, quarta-feira, de uma bomba num dos maiores centros comerciais da capital da Nigéria. No ataque morreram pelo menos 21 pessoas. O ressentimento entre a população cresce.

Uma forte explosão abalou quarta-feira o Emab Plaza de Abuja, em plena capital nigeriana. O frequentado centro comercial estava apinhado de gente. Faltava apenas uma hora para o jogo da Nigéria contra a Argentina no Mundial de Futebol de 2014.

O espaço fica na zona Wuse 2, numa rua comercial muito movimentada. Sobretudo à noite, quando os inúmeros moradores dos subúrbios regressam a casa, formam-se aqui longas filas de gente.

Testemunhas no local ficaram chocadas com o atentado. “Sim, foi uma bomba que explodiu. Nós sabemos. Toda a gente aqui está com raiva. Ninguém quer a falar agora.”Disse este homem que não conseguiu esconder a sua raiva aos microfones da DW África.

Agora a rua está isolada, como se pode ver pelas várias fitas amarelas da polícia no local. No ataque, ocorrido pelas 16 horas locais, morreram pelo menos 21 pessoas e outras 17 ficaram feridas. De acordo com informações da polícia, também foram incendiados pelo menos 17 veículos.

Nigeria Abuja Bombenanschlag im Stadtteil Wuse

O espaço onde decorreu o ataque está agora isolado

Boko Haram é o suspeito

O ataque ainda não foi reivindicado, mas as suspeitas recaem sobre o Boko Haram. Nos dois últimos meses, Abuja já foi alvo de dois ataques do grupo islamita. No bairro de Nyanya, no sul da capital, morreram 120 pessoas.

Na quarta-feira houve também uma explosão num mercado de Adamawa, no norte do país. Não há registo de feridos.

Horas depois do ataque em Abuja, oreceio de que o Boko Haram possa voltar a atacar ainda é grande. Muitas pessoas discutem o assunto em voz alta.

Ouvir o áudio 03:34

Tristeza e raiva na Nigéria após ataque contra centro comercial

“Eu vi de longe, não estava presente quando isso aconteceu. Estava numa loja quando isso aconteceu. Quando saí, havia muitas pessoas a fugir. Eu não estava presente quando a explosão aconteceu, mas vi de longe”, conta Chuks Ekwireke, que faz parte da equipa que gere o centro comercial.

O gerente diz o que muitas pessoas sentem neste momento na Nigéria.“Sinto-me mal. Já ninguém está seguro aqui em Abuja. Na verdade, ninguém está seguro em toda a Nigéria. Por isso, não estou contente. Não estou nada contente”, confessa.

Crescem críticas às autoridades

Na cidade dominada pelo medo, levanta-se mais uma vez a questão da incapacidade das autoridades na luta contra o Boko Haram. E cresce também o ressentimento e a raiva entre a população. “Numa situação como esta, os líderes não sabem dizer-nos o que está a acontecer. Eles sabem o que se passa, qual é o problema. Eles lidam com o problema”, critica o comerciante Abdu Kaze.

“Eles não nos podemenganar. Não podemos fugir por causa deles. Este é o nosso país, a nossa casa. Esta é a nossa terra”, frisa.

O empresário Abdu Kaze tenta falar com calma, mas nem sempre consegue. “Estamos a sofrer”, sublinha. Está irritado porque as precauções de segurança levadas a cabopelo Governo falharam. “Sabe quantas pessoas morreram aqui hoje? E isto apesar de aqui perto termos postos de controlo policiais”, critica.

“E ainda nos dizem que temos segurança. Mas nós não temos segurança. Eles vão continuar a proteger-se a si mesmos. E nós vamos tratar da nossa própria protecção”, acrescenta o comerciante.

Nigeria Abuja Bombenanschlag im Stadtteil Wuse

Pelo menos 21 pessoas morreram e 17 veículos foram incendidados

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados