1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Sudão do Sul, Mali e Eritreia promovidos na Feira Internacional de Turismo de Berlim

187 países, 10 mil expositores e mais de 160 mil metros quadrados. A Feira Internacional de Turismo de Berlim (ITB) abriu portas esta semana e espera receber mais de 100 mil visitantes até ao dia 13 de Março.

default

Feira Internacional de Turismo de Berlim

Atrair turistas pode revelar-se uma tarefa difícil para alguns países africanos presentes na exposição. Ao lado de destinos turísticos de topo do continente, países que atravessam períodos de conflito, como o Sudão do Sul ou o Mali, tentam também promover o turismo nacional, no maior evento a nível mundial dedicado ao setor.

A embaixadora do Sudão do Sul na Alemanha, Sitona Abdalla Osman, não teme o desafio: “Temos muitas coisas para mostrar à comunidade internacional e ao público interessados em turismo. Não se trata apenas de animais, trata-se também da paisagem, da agricultura, as florestas, o rio Nilo. Temos muito para mostrar".

Berlin Internationale Tourismus-Messe ITB

Sudão no Sul na Feira Internacional de Turismo de Berlim

No stand do Sudão do Sul, sob o slogan “Um destino de férias por descobrir”, os funcionários distribuem panfletos com imagens do rio Nilo, pássaros coloridos e um pastor de traje tradicional a vigiar as suas vacas. Um paraíso turístico. Mas os panfletos não mostram o outro lado do país.

Desde 2012, que o Sudão do Sul é palco de um violento conflito entre as tropas do Governo e os rebeldes ligados ao ex-vice-Presidente Riek Machar. Mais de 50 mil pessoas morreram. Os países ocidentais emitiram comunicados alertando os cidadãos para os perigos de viajar para o Sudão do Sul.

Ainda assim, a embaixadora sul-sudanesa na Alemanha tenta contrariar esta imagem negativa na Feira Internacional de Turismo de Berlim. “É melhor para todos verem com os seus próprios olhos em vez de lerem apenas o que dizem os meios de comunicação. Garanto, é um país pacífico. Muitas pessoas vieram ver. Abriram muitas embaixadas e recebemos muitas personalidades. Até o secretário-geral da ONU esteve no Sudão do Sul na semana passada, e esteve seguro. Se Ban Ki-moon vem de forma segura, podem vir também", garante Sitona Abdalla Osman.

O Sudão do Sul, um dos países mais pobres do mundo, precisa urgentemente de mais turistas. A embaixadora acredita que o setor pode ajudar a diversificar a economia sul-sudanesa, criar postos de trabalho e recursos.

Ainda existe turismo no Mali

Berlin Internationale Tourismus-Messe ITB

Mali na Feira Internacional de Turismo de Berlim

A poucos metros do Sudão do Sul está o stand do Mali. O país já foi um destino de eleição para os turistas mais aventureiros. A cidade de Tombuctu, em pleno deserto do Sahara, e o Festival do Deserto,o mais remoto festival de música do mundo, atraem visitantes de todos os pontos do planeta.

Em 2012, a insurgência islâmica tomou o controlo do norte do Mali, levando à intervenção militar francesa no ano seguinte. Desde então, os radicais islâmicos reagruparam-se e lançaram uma série de ataques no país. Em novembro de 2015, militantes armados atacaram um hotel na capital, Bamako, fazendo mais de 150 reféns entre hóspedes e funcionários.

Há um ano, o Governo maliano criou a agência de Promoção de Turismo. A diretora-geral, Fatoumata Ouattara, diz que o Mali quer mostrar que ainda existe e que os turistas ainda podem visitar o país, tendo em atenção a situação de segurança: "depende da parte do país que se visita. A região sul é segura, os turistas podem vir. Mas a região norte não é muito segura".

Eritreia - "3 estações do ano em duas horas"

Berlin Internationale Tourismus-Messe ITB

Eritreia na Feira Internacional de Turismo de Berlim

“Visite a Eritreia – 3 estações do ano em duas horas” é o slogan do stand da Eritreia. O país do corno de África também não tem uma imagem positiva entre a comunidade internacional.

Cerca de 5 mil eritreus fogem todos os meses daquele que é considerado um dos regimes mais repressivos do continente e que se encontra sem oposição política, sociedade civil ou meios de comunicação independentes.

Na ITB, no entanto, a imagem do país é outra. As paredes do stand da Eritreia mostram um comboio a vapor que atravessa um cenário verdejante e os funcionários, nos trajes brancos tradicionais, distribuem panfletos e postais.

Samuel Gebremariam, um operador turístico da capital, Asmara, afirma que os relatos negativos sobre o país não afastam os turistas da Eritreia. “É um bom país para recém-casados, temos boas ilhas para a lua de mel. Pessoas mais velhas, que querem aproveitar a luz, o clima, o nascer do sol. Mesmo arqueólogos, temos edifícios com mil anos, por isso é bom para arqueólogos também".

Ouvir o áudio 03:30

Sudão do Sul e Mali promovidos na Feira Internacional de Turismo de Berlim

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados