1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

"Substitui-se o homem branco, o colonialista, por um novo colonialista", critica General Pakas

Manuel Mendes de Carvalho, conhecido por General Pakas, participou em todas as guerras travadas pelo MPLA, partido que nunca abandonou. Mesmo assim, tornou-se crítico do MPLA.

default

General "Pakas" Manuel Paulo Mendes de Carvalho, aderiu ao MPLA antes da independência de Angola. Depois da independência participou na guerra contra a UNITA. Agora mostra-se dececionado com o "estado da nação"

O general Manuel Paulo Mendes de Carvalho "Pakas" nasceu em 1954 é filho de um grande patriarca e patriota angolano: Agostinho André Mendes de Carvalho, um escritor e diplomata angolano, ex-embaixador angolano na Alemanha do Leste, melhor conhecido pelo nome kimbundo de Uanhenga Xitu.

O General Pakas é também irmão do general Mendes de Carvalho "Miau" que em 2012 abandonou o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) para se afiliar ao novo partido de oposição Convergência Ampla de Salvação de Angola - Coligação Eleitoral (CASA-CE).

Nos últimos anos, o General Pakas adotou também uma postura crítica face ao MPLA, assim como perante o Presidente José Eduardo dos Santos, assumindo posições de maior defesa dos interesses dos nacionais angolanos, ao ponto de alguns observadores o considerarem um "nacionalista".

DW África: General Pakas, como viveu os anos que antecederam à independência de Angola?

I Kongress der MPLA in Angola

O primeiro congresso do MPLA realizou-se em 1974, um ano antes da independência de Angola. Já na altura Paulo Mendes de Carvalho "Pakas" fazia parte do movimento

Manuel Paulo Mendes de Carvalho "Pakas" (MMC): Nos anos 60, até à independência, o meu pai ficou preso 12 anos. Por força das circunstâncias – muita miséria – crescemos revoltados, perante essa situação da prisão do nosso pai. Não foi fácil. Foi muito difícil. Depois da prisão do meu pai, a nossa família foi para o Lubango [sul de Angola], a região de onde a minha mãe é originária. Postos lá, encontrámos solidariedade.

De lembrar, por exemplo, o apoio de um radialista português, de nome Leonel Cosme, e da sua esposa Regina. Foi esse casal que foi o meu segundo pai e a minha segunda mãe. Orientados talvez por Deus, dirigiram-se a nossa casa e deram-nos o apoio, dentro das possibilidades, e contribuíram muito para o nosso crescimento.

Dos autóctones angolanos não conseguimos receber nem uma pequena ajuda. A luta aqui em Angola foi uma luta em que participaram muitas forças. A luta não foi só realizada pelos negros, havia também muitos mestiços angolanos e brancos a lutarem pela mesma causa, que era a independência.

DW África: O movimento a que aderiu foi o MPLA...

Ouvir o áudio 10:36

Ouvir o Contraste com as declarações do general Pakas

MMC: Sim. Era do MPLA que mais se falava na altura. E por isso aderi a uma célula militar clandestina no Lubango. Fomos andando, cada um orientado pela sua consciência. A gente não fazia muita subversão política, porque a polícia política, a PIDE (Polícia Internacional e de Defesa do Estado), estava muito atenta e era muito rigorosa, mas fomos fazendo aquilo que era possível.

Em 1974 aderi à guerrilha. Já estava no MPLA e aderi à guerrilha. Estive no Congo, estive na Zâmbia, fiz a instrução primária militar, fui também aproveitado para realizar o trabalho político. Aqui nas nossas forças armadas chamávamos ao cargo o "comissário político", por influência do marxismo-leninismo. E fui assim fazendo o trabalho de educação política e patriótica, no seio das Forças Armadas.

De recordar que independentemente do MPLA havia a União das Populações de Angola (UPA) e a Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA). Foram indivíduos que se bateram com muito brio contra o colonialismo português. É uma pena, que por falta de visão acabámos por destruir a própria FNLA. Eu individualmente reconheço a participação desta formação política e militar que também muito contribuiu para a independência de Angola.

Nos anos 60 apareceu também a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) e também foi lutando. Eu que sou do MPLA não sou dos que defendem que alguém deu ao MPLA o mandato de fazer isto ou aquilo. Não!

Eu acho que ninguém recebeu mandato de Deus para governar. E se recebeu é para governar bem. Porque morreu muita gente aqui, ao longo dos últimos 500 e tal anos.

Acho que devíamos ter chegado a um entendimento entre nós, para organizarmos o nosso país e caminharmos rumo ao bem estar social, que é o que não existe aqui em Angola. Aqui há muita miséria, num país tão rico, como o nosso. Falta tudo. Só não falta é discurso político enganador de que "tudo está bem". Mas o certo é que as populações não têm água potável, as escolas não têm qualidade.

Portugiesischer Kolonialkrieg

40 anos depois da luta pela independência em Angola (na foto: soldados portugueses no caminho a Quixexe, Angola), o General Pakas diz que muitas coisas ficaram na mesma "embora tenha mudado o hino e a bandeira"

DW África: 40 anos depois, acha que a independência foi de facto atingida em Angola?

MMC: Sempre disse, que se não nos acautelássemos, iríamos ter um país, uma bandeira, um hino, um presidente 'preto', mas as coisas iriam continuar nas mesmas condições, se bem que num contexto diferente. E pronto: temos uma bandeira, mas ninguém protege aquilo que é nacional.

Qualquer país que quer ser país tem que investir na educação do seu povo! Em 1974, a maior parte dos quadros da máquina colonial foram embora, uns foram para a África do Sul, outros foram para a Namíbia, outros foram para Portugal. Angola ficou desprovida de quadros. E eu acho que é nesses domínios que deveríamos ter investido, mesmo com guerra, porque há locais em que não houve guerra.

Demonstration in Benguela Angola

Jovens manifestam-se em 2012 contra o regime do MPLA: o General Pakas diz que o que o leva estes jovens à rua são as péssimas condições de vida, precisamente "as mesmas razões que levaram o atual Presidente para a guerrilha"

DW África: Os jovens do denominado "movimento revolucionário" têm, portanto, razão quando se manifestam contra o poder instalado em Angola?

MMC: Eu acho que sim. Faço um apelo ao Sr. José Eduardo dos Santos [Presidente de Angola] para que reflita muito bem sobre isto. Ele está a esquecer-se que quando ele próprio foi para a guerrilha, ele também foi pelas mesmas causas: foi o mau viver que o levou para a guerrilha. Então era só na altura que a miséria doía? Então a miséria destes meninos também não dói? Então não há sentimento? Esqueceu o passado? É muito complicado.

Ele costuma a dizer: "isso não vai dar nada. São apenas trezentos miúdos! São uns frustrados!" De facto são frustrados!

Eu também estou frustrado, porque não encontrei a terra prometida! Não atingi os objetivos pelos quais lutei ao longo destes anos! Veja essa assimetria social em Angola! Muita gente extremamente rica e muita gente extremamente miserável. Eu acho que ninguém de nós andou a lutar pela pátria, para colher miséria! Angola é rica. E toda a gente lutou para receber a sua cota parte.

DW África: O poder em Angola normalmente alega que o processo de desenvolvimento está atrasado sobretudo devido à guerra.

MMC: A guerra foi uma realidade, mas nem todo o país estava sob os efeitos da guerra. A guerra é um facto, mas não podemos atribuir todos os males da sociedade à guerra, não!

Buchcover Purga em Angola

Um dos grandes tabus da Angola atual é a violência exercida na sequência do 27 de maio de 1977. Na foto: capa do livro "Purga em Angola" dos historiadores portugueses Álvaro e Dalila Cábrita Mateus

DW África: Ainda há feridas, tabus, na sociedade angolana?

MMC: Há muitos! Um dos grandes problemas é o problema do 27 de maio [massacres dentro do MPLA ocorridos no ano de 1977]! Por muito que se queira tapar o assunto, não é possível, porque não foram somente vítimas os indivíduos que morreram, como também as suas famílias. As vítimas tinham mulheres, irmãos e filhos que também são cidadãos de Angola!

É necessário que se peça desculpas, que se entregue as certidões de óbito e que se repare os danos morais e materiais. Passado mais de 30 anos ninguém quis saber das famílias das vítimas, se estudam, se comem…

Por cima de injustiça a gente não vai poder construir felicidade. Enquanto os descendentes das vítimas andarem à procura das vítimas, vão gerando descendentes que vão crescer com ódio.

DW África: Há quem use o termo "neocolonialismo" para descrever o que se passa em Angola. Concorda com esse conceito?

MMC: É pá! Isso é prática comum aqui em África. Substitui-se o homem branco, o colonialista, por um novo colonialista, um preto com uma prática idêntica! Se apenas são substituídos estão a dar sequência às práticas que os colonialistas tiveram ao longo dos séculos. Mudaram-se os protagonistas apenas, mas as políticas são as mesmas.

Dentro dessa visão concordo com o conceito de neocolonialismo. Os que agora estão no poder continuam a ser orientados a partir de fora. É na antiga colónia que eles vão fazer brilharete e vão guardar os seus dinheiros.

DW África: Valeu a pena o sacrifício?

MMC: Valeu a pena o sacrifício. De falta de independência política não nos podemos queixar. Mas o cerne da questão está na independência económica. A história repete-se em África: coloca-se a bandeira, o hino, coloca-se um presidente preto… Mas depois a riqueza já não é distribuída equitativamente. Os que governam usurpam e levam as notas para fora de Angola e deixam os seus povos viverem na miséria.

Agostinho Neto

Cartaz com o retrato de Agostinho Neto, primeiro Presidente de Angola

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados