SPD aceita negociar coligação de Governo na Alemanha | NOTÍCIAS | DW | 21.01.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

SPD aceita negociar coligação de Governo na Alemanha

Após meses de incerteza política, os sociais-democratas votaram a favor de negociações formais para uma coligação com os conservadores da chanceler Angela Merkel.

default

Líder parlamentar do SPD, Andrea Nahles, e líder do partido, Martin Schulz

Dos 642 delegados no congresso do partido, em Bona, 362 votaram a favor de lançar negociações formais com a União Democrata Cristã (CDU) de Angela Merkel e a sua irmã bávara, a União Social Cristã (CSU), após as inconclusivas eleições legislativas de 24 de setembro.

Espera-se que as conversações arranquem já esta semana, em mais um passo para pôr fim a meses de incerteza política. No entanto, o acordo que resultar das negociações para uma coligação terá ainda de ser votado pelos 440 mil membros do SPD, que irão decidir se a chamada "grande coligação” dos principais partidos da Alemanha é finalmente estabelecida.

Merkel já disse que quer concluir as negociações até 12 de fevereiro. Se forem bem sucedidas, e a chanceler obtiver a maioria absoluta necessária no Parlamento para manter a sua posição, poderá dar início ao seu quarto mandato antes da Páscoa – meio ano após as eleições, o mais longo período em que a Alemanha esteve sem Executivo.

Demasiadas concessões?

Außerordentlicher SPD-Parteitag SPD-Parteivorsitzender Martin Schulz

Martin Schulz discursa durante o congresso

Muitos membros do Partido Social Democrata (SPD) acreditam que a formação política deveria passar para a oposição para dar uma oportunidade aos sociais-democratas de se reorganizarem e ganharem fôlego depois de obterem o seu pior resultado desde 1949 no escrutínio de setembro.

Os opositores afirmam que mais quatro anos numa parceria de Governo com a CDU/CSU poderão pôr fim a qualquer individualidade do SPD, partido mais à esquerda. Os críticos de uma coligação renovada também não estão satisfeitos com as concessões do líder do partido, Martin Schulz, nas conversações preliminares com Angela Merkel.

A moção aprovada este domingo inclui referências à obtenção de melhorias ao documento saído das conversações preliminares com vista a concessões dos conservadores quanto às políticas de trabalhom, saúde e migração.

"Vamos lutar por mais melhorias nas negociações de coligação, se formos em frente”, disse Schulz antes da votação no congresso em Bona.

O SPD já foi parceiro em duas "grandes coligações” com os conservadores, entre 2005 e 2009, e desde 2013.

Leia mais