1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Somalilândia elege novo Presidente apesar da falta de reconhecimento internacional

Mais de 700 mil eleitores da Somalilândia, Estado semi-autónomo da Somália que ainda não é reconhecido internacionalmente, foram às urnas esta segunda-feira. Votação ficou marcada pela suspensão das redes sociais.

Ao final do dia desta segunda-feira, as autoridades da Somalilândia deram início à contagem dos votos. Muse Bihi do partido no poder, Kulmiye, Abdirahman Iro e Faysal Ali Warabe, da oposição, são os três candidatos à sucessão do Presidente Ahmed Mohamud Silaanyo. Todos são políticos experientes e não há um favorito claro, segundo os analistas.

Embora a política doméstica possa determinar o resultado, o debate sobre o reconhecimento da Somalilândia como um Estado independente é um dos pontos principais nestas eleições. A Somalilândia separou-se da Somália em 1991, quando o país entrou em guerra civil. Desde então, tenta alcançar o reconhecimento internacional sem sucesso e é tratada como uma região autónoma.

Nos últimos 26 anos, as nações africanas e ocidentais sustentaram que a independência tem de passar por negociações com o Governo de Mogadíscio.

Somaliland Wahlen

Fila para votar em Hargeisa, na Somalilândia.

Segundo Laura Hammond, especialista do Instituto de Estudos de África e Médio Oriente da Universidade de Londres, “isto é frustrante para a Somalilândia, uma vez que as pessoas consideram que não há, na verdade, um Governo responsável a sul com quem interagir”.

“Porque é que a Somalilândia, que tem, regra geral, vivido em paz e segurança nos últimos 26 anos, deve ser condicionada por um país que não tem sido capaz de gerir os seus próprios assuntos?”, questiona Hammond. Por outro lado, a especialista lembra que há muitos cidadãos do sul que vivem na Somalilândia e vice-versa. “Estas pessoas continuam a ter esperança na unidade nacional”, afirma.

População "tem o direito de determinar” quem governa

Michael Walls, observador-chefe da Missão Internacional de Observação Eleitoral (EOM) para a Somalilândia, defende, entretanto, que as eleições têm significado nacional e internacional, "independentemente de qual seja o status da Somalilândia”.

Ouvir o áudio 02:56

Somalilândia elege novo Presidente

Segundo o analista, "a realidade é que as pessoas da Somalilândia ainda estão aqui e ainda têm o direito de determinar quem as governará. A Somalilândia tem um histórico bastante impressionante em termos de estabelecer a paz numa área que é muito difícil e também na realização de eleições com sucesso”.

Com um porto no Golfo de Aden, uma rota marítima anteriormente atormentada pela pirataria e que é fundamental para ligar a Ásia ao Canal de Suez e depois à Europa, a comunidade internacional vê a estabilidade da Somalilândia como importante.

Com a presença contínua de militantes islâmicos na Somália, a crise política no Iémen e o forte domínio do partido no poder na Etiópia, eleições livres são um acontecimento raro no Corno de África. Mesmo na Somalilândia, as eleições foram adiadas por dois anos, após o final do mandato de cinco anos de Ahmed Mohamud Silaanyo, em 2015.

Registo biométrico inédito

Nestas eleições, mais de 700 mil eleitores - ou seja, cerca de 20% da população - foram os primeiros no mundo a registarem-se através do reconhecimento biométrico da retina.

"Há muita fé no registo visual de eleitores. Já não foi manipulado como no passado - com múltiplos registos e assim por diante”, diz Michael Walls. Nesse sentido, acrescenta, "a introdução do novo registo de eleitores tem sido muito útil para melhorar a integridade das eleições”.

Organizações de defesa dos direitos humanos criticaram o Governo pelo corte planeado dos serviços de redes sociais no final do dia da votação. As autoridades justificaram a medida com a necessidade de conter a disseminação de informações falsas. Em abril do próximo ano estão previstas eleições parlamentares na Somalilândia.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados