1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Sistemas de saúde da África Ocidental têm de ser reforçados

África Ocidental registou quase dois mil focos epidémicos nos últimos 40 anos. O último - e um dos mais graves - foi o do vírus ébola. Organização da Saúde da África Ocidental defende mais investimentos para a região.

default

Ébola provocou mais de 11 mil mortos desde 2013 na África Ocidental (Foto: Guiné, 2014)

Os sistemas de saúde da África Ocidental precisam ser reforçados para evitar a expansão de doenças, defende o diretor da Organização da Saúde daquela região, Xavier Crespin.

Nos últimos 40 anos, houve mais de 1.700 focos epidémicos na África Ocidental, dos quais o último e um dos mais graves foi o do vírus ébola.

"Parece que a comunidade internacional espera que haja crises para se manifestar sobre o terreno, o que não é normal", afirma Xavier Crespin, em entrevista à agência EFE.    

"Não é preciso esperar pelas crises nem pelas urgências. É preciso ir ao essencial, que é reforçar os sistemas de saúde, que são muito frágeis em determinados países devido à falta de financiamento e de pessoal e ao insuficiente envolvimento das comunidades locais na tomada de decisões", acrescenta Crespin, médico nigeriano que dirige o organismo que coordena os ministérios da saúde de uma das regiões mais pobres do mundo. 

Epidemia

Além de ter dizimado os precários sistemas de saúde da Guiné, Libéria e Serra Leoa, a epidemia do vírus do ébola provocou mais de 11 mil mortos. 

"A crise do ébola demonstra a debilidade dos nossos sistemas de saúde. Para se mostrar que se é filantropo a sério é necessário ir ajudar agora, sem crise, para construir um sistema de saúde sólido, resistente aos choques epidémicos que existem na nossa região", defende Xavier Crespin. 

Crespin diz ainda que durante a crise do Ébola "chegaram milhares de pessoas para ajudar e milhares de milhões de dólares, mas uma vez terminada a epidemia os hospitais de campanha foram desmontados e os nossos hospitais ficaram dizimados, sem pessoal e, de novo, sem capacidade de resposta". 

Leia mais