1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Sievers diz que "não sabia quem eram parceiros" na Whasintelec

Empresa alemã Sievers, que tem como sócios na Whasintelec em Moçambique nomes ligados à FRELIMO, falou à DW África depois de um estudo publicado pelo CIP denunciando irregularidades na atuação da mesma no país.

default

A Whasintelec, inicialmente detida pelos grupos das famílias Guebuza e Machel, e pela empresa alemã Sievers, dedica-se ao fornecimento e distribuição de chapas de matrículas para viaturas

A atuação de empresas estrangeiras nas parcerias público-privadas em Moçambique é algo questionado no país. O cumprimento integral de acordos e a transparência, por exemplo, são requisitos que demasiadas vezes não são cumpridos.

Em Moçambique, o Centro de Integridade Pública (CIP) denunciou, na última semana, no seu estudo intitulado "Como as PPP são usadas para beneficiar elites e prejudicar o Estado" mais uma irregularidade numa parceria público-privada (PPP).

Trata-se da empresa Whasintelec, inicialmente detida pelos grupos das famílias Guebuza e Machel, e pela empresa alemã Sievers. A Whasintelec dedica-se ao fornecimento e distribuição de chapas de matrículas para viaturas, mas a única empresa desta sociedade que possui know-how na área é a alemã.

Mosambik Borges Nhamire

Borges Nhamire, autor do estudo do CIP intitulado "Como as PPP são usadas para beneficiar elites e prejudicar o Estado"

Entretanto, Borges Nhamire, autor do estudo do CIP, explica como os parceiros estrangeiros contribuem para prejudicar o país.

"A condição para fazer negócios é se aliar com algum político. Não têm nenhum conhecimento na área. Então, os políticos dão a cobertura em termos de influência," diz.

De acordo com Nhamire, "o que está a acontecer é que, empresas que são íntegras no Ocidente – o caso concreto desta empresa [Sievers], que pode ser íntegra na Alemanha – quando chegam aqui, encontram o espírito certo para subverter o espírito de negócios transparentes e começam a fazer este tipo de negócio que prejudica a sociedade, em benefício próprio e em benefício de alguns aliados que são as elites políticas."

Stau in Maputo

A única empresa da sociedade Whasintelec que possui know-how para produção de chapas de matrículas para viaturas é a alemã Sievers

Resposta pouco convincente

A DW-África entrou em contacto com a empresa alemã Sievers para saber se ela tinha conhecimento de que um dos seus parceiros na Whasintelec era Armando Guebuza, Presidente e chefe do Governo na altura, governo esse que fez o concurso e que deu como vencedor a Whasintelec.

Por escrito, a Sievers atirou a batata quente para o seu representante em Maputo, justificando que "não sabia quem eram os parceiros do consórcio, explicando que foram todos escolhidos e apresentados pelos senhor Custódio Tamele, o responsável da Whasintelec".

Em entrevista à DW-África, Tamele tentou justificar dizendo: "Nós concorremos a Whatana Investment uns tempos e depois apareceu a Intelec. Para a nossa informação, dizia-se que o chefe do Estado não estava no grupo Intelec. Foi o sócio, mas já não estava lá no grupo da Intelec Holding. É a informação que nós tivemos no momento".

O responsável da Whasintelec acrescentou ainda, "primeiro estivemos à procura de alguém, não havia experiência para se xxx à procura de um parceiro que podia concorrer comigo. Ficamos à procura de um parceiro. No princípio, a nossa escolha era a Whatana Holding, se não me engano, e depois apareceu a Intelec por questões técnicas".

Custódio Tamele

Custódio Tamele, representante da empresa alemã Sievers em Maputo

Críticas à atuação das empresas estrangeiras

Sobre a atuação das empresas estrangeiras em Moçambique, Fernando Lima, jornalista e diretor do semanário moçambicano Savana, diz que "aplicam-se os critérios possíveis. Ou seja, nos países onde há mais exigências, responde-se às exigências. Nos países onde há menos exigências, vai-se de acordo com os usos e costumes locais – nomeadamente o déficit de transparência e de isenção."

Lima explica que "muitos destes contratos carregam da experiência de Moçambique e da experiência de outros países onde tem havido muitos escândalos, m relação às parcerias público-privadas".

O jornalista considera que "muitas dessas parcerias trazem encargos adicionais para o Estado e tudo o que são os benefícios são para ser imputados à parte privada e logo à partida."

Ouvir o áudio 03:37

Sievers diz que "não sabia quem eram parceiros" na Whasintelec

"Portanto, são negócios inquinados e, ao tentar passar-se o risco para o Estado e portanto ficar detentor da parte boa de um contrato, parece-me que não é correto e muito menos asseguram níveis de benefício em partes iguais para o Estado e para os privados," conclui.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados