1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Saúde de ativistas angolanos causa preocupação

As más condições nas cadeias e o estado de saúde de alguns jovens recentemente condenados em Luanda preocupam familiares e ativistas. Nuno Dala está em greve de fome há 28 dias e Osvaldo Caholo ameaça suicidar-se.

A greve de fome de Nuno Dala já dura há quase um mês. Desde o dia 10 de março, tem sido essa a forma de o ativista reivindicar o acesso às suas contas bancárias e à devolução de bens, incluindo dinheiro, documentos e computadores, apreendidos pelas autoridades em junho. Também pede que lhe sejam revelados os resultados de exames médicos que fez.

A irmã Gertrudes Dala contou à DW África que o investigador "está cada vez pior" e corre perigo de vida. "Está mesmo muito debilitado e fraco. Já nem líquidos consegue ingerir". Quando a família o visita na prisão, tem de ser deslocar em cadeira de rodas. No entanto, o professor universitário não pretende suspender a greve de fome até que tudo se resolva.

Nuno Dala foi condenado a quatro anos e meio de cadeia e encontra-se atualmente no Hospital Prisão de São Paulo. Desde a morte dos pais, o ativista é responsável pelo sustento dos dois irmãos menores, que vivem consigo, juntamente com a mulher e a filha.

"Estamos a passar necessidades graves. Até para ir visitá-lo tem sido um caso sério", conta Gertrudes Dala, que lamenta o silêncio a que o caso do irmão tem sido votado. "As autoridades angolanas não dizem nada. Mas estamos ainda com esperança de que o Tribunal Supremo possa dar uma notícia satisfatória: que reduza a pena ou que eles sejam absolvidos".

Presos bebem água das sanitas

Em greve de fome continua também o ativista Osvaldo Caholo. Numa carta enviada à imprensa nacional e estrangeira, o militar ameaça suicidar-se na prisão de Calomboloca, se as condições em que se encontra detido não melhorarem. Segundo o tenente, os presos têm de beber água das sanitas, a alimentação é inadequada e falta assistência médica, entre outras irregularidades.

"A realidade das cadeias em Angola é mesmo esta. Onde se dorme é onde as pessoas fazem as suas necessidades", confirma o ativista Kim de Andrade, da Central Angola 7311, que já esteve detido várias vezes.

Angola Mütter von Aktivisten vor einem Gericht in Luanda

Familiares dos ativistas durante o julgamento em Luanda

Também o estado de saúde de Manuel Nito Alves continua a preocupar os seus familiares. Detido em janeiro, por injúrias ao tribunal, o estudante ainda está a recuperar de uma infeção por malária.

A Central Angola alerta ainda para a situação em que se encontram os ativistas Inocêncio de Brito, Arante Kivuvu, Sedrick de Carvalho e Benedito Geremias, detidos na cadeia de Caboxa, na cidade de Caxito. Foi aqui que, há dois dias, uma rixa entre dois grupos rivais terminou com a morte de um recluso e sete feridos.

Manifestação em Luanda

Para pedir a libertação imediata dos detidos e a melhoria das condições nas cadeias angolanas, está prevista uma manifestação no próximo sábado, 9 de abril, na capital, Luanda. Outra das revindicações é a destituição do próprio Presidente da República, José Eduardo dos Santos, porque este "não está a respeitar a Constituição angolana", disse à DW África Adolfo Campos, do Movimento Revolucionário.

Os 17 ativistas foram condenados, a 28 de março, por coautoria de atos preparatórios de rebelião e associação de malfeitores. As penas de prisão aplicadas vão dos dois anos a oito anos e meio e já estão a ser cumpridas, em quatros estabelecimentos prisionais.

A defesa apresentou, entretanto, um habeas corpus por "prisão ilegal" e pede que os ativistas aguardem em liberdade a decisão sobre os recursos, que pode demorar dois anos.

Ouvir o áudio 03:06

Saúde de ativistas angolanos causa preocupação

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados