1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Ruas com nomes de colonialistas causam revolta em Berlim

Algumas ruas do "bairro africano" de Berlim geram controvérsia entre os moradores da capital alemã por homenagearem figuras ligadas ao passado colonial da Alemanha. E há quem queira mesmo alterar os nomes dos endereços.

default

Mnyaka Mboro faz parte da associação "Berlim pós-colonial"

À primeira vista, Lüderitzstrasse, Nachtigallplatz e Petersallee soam a endereços perfeitamente comuns na capital alemã. Mas Mnyaka Sururu Mboro sente-se indignado com a Petersallee - a Avenida de Peters.

Mboro, que nasceu na Tanzânia, está familiarizado com o nome de Carl Peters, um dos principais responsáveis pela fundação da África Oriental Alemã, uma ex-colónia que incluía o atual território tanzaniano.

Ouvir o áudio 02:30

Ruas com nomes de colonialistas causam revolta em Berlim

"Depois dos seus assassinatos, enforcamentos, Carl Peters não foi honrado na Alemanha devido à sua brutalidade. Por isso, não consigo entender como é que algumas pessoas têm orgulho de existir uma rua em homenagem a ele neste bairro", afirma.

Mboro e outros ativistas integram a associação "Berlim pós-colonial", que há anos luta pela renomeação de três ruas da região conhecida como "bairro africano", em Wedding.

As outras ruas têm os nomes de Adolf Lüderitz, fundador da colónia Sudoeste Africano Alemão, atual Namíbia, e do explorador Gustav Nachtigall, que viajou por várias regiões de África.

Não deixar esquecer o colonialismo

"Muitas pessoas que moram aqui não sabem o que esses nomes significam", explica historiador Christian Kopp, da associação "Berlim pós-colonial". "Queremos novos nomes de uma lista de pessoas que lutaram contra o colonialismo nas antigas colónias alemãs", defende o ativista.

Mas muitos moradores têm opinião diferente e formaram uma associação para se opôr à renomeação dos endereços. "Esses nomes pertencem à nossa comunidade, ao nosso bairro, à nossa cultura", afirma Johann Ganz, que preside à organização. "Não queremos deixar esquecer o colonialismo, mas lembrar o que pode acontecer quando se envereda por tal caminho", diz.

A decisão está agora nas mãos da assembleia distrital local, que poderá demorar ainda alguns meses a decidir se altera ou não os polémicos nomes das ruas do bairro africano de Berlim.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados