1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Risco político em Angola e Moçambique é "severo"

É o quinto nível mais grave numa escala de seis, segundo o mais recente Mapa de Risco Político da consultora AON.

default

Luanda

O risco político severo em Angola deverá manter-se, pelo menos a curto prazo. Isto porque os problemas do país deverão continuar. "Os principais fatores continuam a ser a dependência muito grande do preço do petróleo. O preço do petróleo continua baixo. Além de que [o país] carece de desenvolver infraestruturas para potenciar outros sectores de atividade", explica Pedro Pinheiro, diretor do departamento da AON Financial Solutions, em Portugal.

A depreciação do kwanza, os problemas em termos de regulação, a corrupção e a falta de mão-de-obra qualificada pesam também na avaliação do risco político.

Ouvir o áudio 04:36

Risco político em Angola e Moçambique é "severo"

Esta avaliação tem impacto no investimento estrangeiro: ou seja, as empresas vão pensar duas vezes antes de investirem num país de elevado risco político.

Num clima de expetativa em relação ao rumo político de Angola, em fase transição de regime, Pedro Pinheiro, da consultora AON, vê alguns sinais no sentido de se eliminar obstáculos à diversificação e ao crescimento da economia.

O mercado está num "jogo de esperar para ver o que se vai passar". A alteração política em Angola "cria alguma expetativa no sentido saber se vamos ter mudanças”, esclarece Pedro Pinheiro.

Sinais positivos

No entender do responsável da corretora de seguros especializada em risco político, o novo Governo angolano "já começou a tentar fazer alguma coisa, com incentivos ao investimento, através da redução das taxas de impostos, só que ainda não teve tempo de ter qualquer resultado". Mesmo assim, considera "um sinal positivo, porque efetivamente estão a olhar para formas de potenciar o investimento estrangeiro”, acrescenta o responsável da AON.

Angola Luanda Joao Lourenco

Há pouco tempo no poder, João Lourenço já deu sinais de querer potenciar o investimento, segundo Pedro Pinheiro

Também Manuel Muanza, analista angolano e docente no Instituto de Ciências da Educação, considera haver indícios que poderão levar a uma diminuição do risco político.

"Claro que ainda é cedo para se fazer o balanço do novo Governo, que só está a gerir há 30 dias, mas o discurso político demonstra que há alguma mudança de paradigma em relação ao pensamento que existe sobre a forma de conduzir a prática governativa. Por exemplo, essencialmente, podemos apontar o facto de ter uma consciência de que é preciso combater a prática da corrupção, o nepotismo e contar no país com as pessoas independentemente da sua cor política – o que na prática ainda se verá", afirma Manuel Muanza.

Manuel Muanza e Pedro Pinheiro estão de acordo: a aposta no capital humano e em infraestruruas de saúde, educação e rodoviárias são a receita para diminuir o risco político em Angola.

Radicalismo islâmico: novo desafio em Moçambique?

Também em Moçambique, o risco político deverá manter-se severo, segundo a AON, consultora de seguros especializada em risco político. No país, que continua muito dependente da variação dos preços das matérias-primas nos mercados internacionais, surge um novo desafio: o radicalismo islâmico.

Mosambik Mocímboa da Praia

Mocímboa da Praia foi palco do primeiro ataque protagonizado por um grupo radical islâmico em Moçambique

Os recentes ataques em Mocímboa da Praia, na província norte de Cabo Delgado, onde estão instaladas multinacionais para a exploração do gás natural, podem significar maior risco para as empresas, alerta Pedro Pinheiro, diretor do departamento da AON Financial Solutions, em Portugal.

"Se a violência for muito maior, pode pôr em risco a própria atividade dessas empresas. No caso de um gasoduto, podemos estar a falar numa falha de fornecimento de um dia para o outro com algum tipo de ataque. Também temos de olhar para a questão dos recursos humanos, porque cada vez existem mais situações de raptos", aponta o especialista.

Pedro Pinheiro defende uma resposta mais "ponderada" do Governo, "para que estes movimentos não se radicalizem e assumam proporções muito grandes, como foi o caso da Nigéria", acrescenta.

Além disso, a crise da dívida em Moçambique fez disparar a inflação, assim como aumentou o risco de transferência de capitais e de incumprimento.

De um modo geral, as ameaças de grupos terroristas no continente africano assim como o baixo preço das matérias-primas contribuem igualmente para um risco político elevado em África, de acordo com o relatório da consultora AON.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados