Revisão da Constitução moçambicana ″pode exigir referendo″ | Moçambique | DW | 12.02.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Revisão da Constitução moçambicana "pode exigir referendo"

Centro de Integridade Pública (CIP) alerta que a revisão pontual da Constituição, anunciada pelo Presidente Filipe Nyusi para acabar com a eleição direta dos presidentes de municípios, pode exigir uma consulta popular.

Presidente da República, Filipe Nyusi (esq) e Líder da Renamo, Afonso Dhlakama (dta)

Encontro em 2017 entre Filipe Nyusi, Presidente de Moçambique, e Afonso Dhlakama, líder da RENAMO

"Acabar com a eleição direta dos presidentes de municípios requer referendo e não um simples voto do Parlamento", refere o Centro de Integridade Pública (CIP) num comunicado divulgado esta segunda-feira (12.02).

Em causa está a proposta entregue ao Parlamento para revisão da Constituição, após consensos alcançados nas negociações de paz com o líder da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), Afonso Dhlakama.  

Além de os governadores das províncias e os administradores dos distritos passarem a ser indicados pelas forças que vencerem as respetivas assembleias provinciais e distritais, a proposta prevê que o presidente do município passe igualmente a ser escolhido pelo partido mais votado para a assembleia municipal. 

Assistir ao vídeo 00:54
Ao vivo agora
00:54 min

"Todos pela paz em Moçambique"

O CIP cita os artigos 275 e 270 da Constituição de Moçambique, que indicam que "o órgão executivo da autarquia é dirigido por um Presidente eleito por sufrágio universal, direto, igual, secreto, pessoal e periódico dos cidadãos", e que a alteração deste tipo de sufrágio deve respeitar um referendo.

"Moçambique nunca teve um referendo nacional, não existe sequer uma lei do referendo", acrescenta a organização não-governamental.

Dhlakama descarta referendo 

O líder da RENAMO, Afonso Dhlakama, comentou na sexta-feira (09.02), em entrevista à televisão STV, que não é necessário um referendo, na medida em que a mudança resulta de uma negociação entre o Governo e a oposição. 

"Os juristas têm a sua razão como juristas, mas não têm razão para se falar de referendo. Não tem nada a ver", concluíu o líder do maior partido da oposição. 

No mesmo dia, o Presidente Filipe Nyusi anunciou que ia submeter à Assembleia da República a proposta de revisão pontual da Constituição. Para Nyusi, a proposta "pode não ser perfeita", mas "pelos menos o passo já foi dado". "Eu estou satisfeito", acrescentou o chefe de Estado.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados