1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Retrospetiva - África em 2013: esperança e deceção, guerra e paz e muita vida para além morte de Nelson Mandela

2013 foi um ano tristezas e alegrias para o continente africano: o Mali elegeu em julho um novo Presidente. No Congo destaque para a capitulação dos rebeldes do M23. E a África do Sul disse adeus a Nelson Mandela.

África do Sul: Nigéria vence campeonato africano de futebol

O Estádio FNB de Joanesburgo – o denominado Soccer-City ("cidade do futebol"): é aqui que – no dia 10 de fevereiro de 2013 – se realiza a final do CAN 2013, a Copa Africana das Nações. Nesse jogo a Nigéria bateu o Burkina Faso por 1:0, sagrando-se pela terceira vez campeã africana. O golo decisivo é marcado aos 40 minutos da primeira parte, pelo meio-campista nigeriano Sunday Mba que se mostra feliz com a vitória, agradecendo a todos os jogadores pelos esforços investidos e lembrando que "todos eles rezaram pela Nigéria e Deus ouviu as orações."

Sport Fußball Africa Cup of Nations 2013 Finale Nigeria Burkina Faso

A Nigéria venceu a final contra o Burkina Faso


Quénia: eleições

Nesse dia as filas de espera junto às assembleias de voto são enormes, e o ambiente é tenso. Desde o início do ato eleitoral, as previsões apontam para uma vitória do candidato Uhuru Kenyatta.

Kenia Präsident Kenyatta und Vizepräsident Ruto

Presidente do Quénia, Uhuru Kenyatta (à esq.), e o seu vice William Ruto

Kenyatta não tem apenas apoiantes: muita gente acusa-o de – durante a campanha para as últimas eleições há cinco anos – ter incitado ao uso de violência contra os apoiantes dos seus rivais. Uhuru Kenyatta e o seu designado vice, William Ruto, são por isso alvos de um processo por crimes contra a Humanidade, perante o Tribunal Penal Internacional, o TPI, em Haia.

Quatro dias depois das eleições é divulgado o resultado oficial do pleito no Quénia: Kenyatta é o vencedor, com uma margem mínima, não necessitando de se sujeitar a uma segunda volta.

Palavras do novo Presidente: "Meus compatriotas, celebramos hoje o triunfo da democracia, da paz e da unidade nacional. Apesar da resistência de muitos, por esse mundo fora, conseguimos comprovar a nossa maturidade política, que superou todas as expetativas."

Ouvir o áudio 13:38

Ouvir a retrospetiva do ano de 2013 em África

Em setembro, Kenyatta envereda definitivamente pela via da confrontação com o TPI: o parlamento queniano decide suspender o contrato de cooperação com o Tribunal de Haia.

O processo contra o Presidente queniano, porém, continua, uma vez que não é possível cancelá-lo retroativamente. Em fevereiro de 2014 deverá começar o processo, na sede do TPI, em Haia.

Nigéria: estado de emergência depois dos atentados do grupo islamista Boko Haram

Nigeria Plakat Präsident Goodluck Jonathan Archiv 2011

O Presidente da Nigéria, Goodluck Jonathan

Depois de atentados do do grupo islamista Boko Haram em várias localidades do norte da Nigéria, Goodluck Jonathan, o presidente nigeriano, envia o exército para uma ofensiva contra o Boko Haram. Em três das regiões mais afetadas é proclamado o estado de emergência.

O porta-voz do partido governamental nigeriano, Abdullahi Jallo, explica, de modo explícito, a posição do Presidente: "O Presidente não vai aceitar a violência. Sublinhe-se: não vai aceitar, que o inimigo tome um centímetro que seja deste país!"

A ofensiva militar não surte muito efeito: em julho são mortos, pelo menos, 27 alunos e professores, num atentado contra um colégio na cidade de Potiskum. Outros atos de violência se sucedem: no início de dezembro, por exemplo, o Boko Haram ataca com 500 combatentes uma base aérea na cidade de Maiduguri.

Em entrevista à DW, um morador de Maiduguri mostra-se indignado com a falta de segurança na sua cidade: "Estamos a ver que o governo não tem soluções para o grave problema da falta de segurança. O governo tem que fazer o seu trabalho de forma competente, não basta declarar o estado de emergência e ordenar um recolher obrigatório noturno!"

Mali: ano de eleições, esperança e caos

Wahl in Mali Ibrahim Boubacar Keita 24.11.2013

Ibrahim Boubacar Keita vota no Mali no dia 24 de novembro

O caos no Mali começara em março de 2012, altura em que o presidente Amadou Toumani Touré (conhecido como "ATT") foi deposto, na sequência de um golpe militar. Em janeiro de 2013, a França decide intervir militarmente. Com a ajuda dos franceses as tropas oficiais malianas conseguem reprimir as forças rebeldes islamistas e afetas a grupos separatistas tuaregues, tornando assim possível a realização de eleições presidenciais, no mês de julho. Nessas eleições, o antigo chefe do governo, Ibrahim Boubacar Keϊta (conhecido como "IBK"), é eleito novo Presidente do Mali.

Foram estas as palavras proferidas pelo novo Presidente maliano durante da sua tomada de posse, em setembro: "Juro, perante Deus e perante a população maliana, defender a República com toda a lealdade e exercer as minhas funções no respeito pelos supremos interesses da Nação, em preservar a democracia e defender a unidade nacional, assim como a integridade do território nacional."

Mas no final deste ano de 2013, as tensões no Mali voltam a aumentar. E acontecem mesmo novos confrontos armados entre o exército e rebeldes tuaregues. Os confrontos culminam com o anúncio dos rebeldes de que deixariam de respeitar o acordo de cessar fogo, assinado em julho.

Quénia: terroristas armados atacam centro comercial em Nairobi

Nairobi Kenia Terroranschlag Al-Shabaab Einkaufszentrum Westgate Mall

Ataque no centro comercial Westgate

Terroristas somalis atacam o centro comercial de Westgate na capital do Quénia, Nairobi. Os atacantes ficam entrincheirados no interior do edifício, com vários reféns. As milícias islamistas Al-Shabaab, provenientes da Somália, reivindicam e justificam o ataque e a tomada de reféns: "O que os quenianos estão a presenciar no centro comercial de Westgate é um ato de justiça que pretende vingar os atos criminosos que o exército queniano comete na Somália."

Não foi a primeira vez que terroristas somalis atacaram no Quénia, país que decidira participar com soldados na missão internacional de pacificação da Somália.

O Presidente do Quénia, Uhuru Kenyatta, exprimiu as suas sentidas condolências aos familiares das vítimas do ataque: "Os meus sentimentos e os sentimentos de toda a Nação estão com as famílias das vítimas às quais quero apresentar os meus sentidos pêsames. Peço a Deus que nos dê consolo, neste momento difícil. Conheço bem a vossa dor, pois eu também perdi um parente próximo neste ataque terrorista."

Quatro dias depois do ataque soldados quenianos recuperam o controlo sobre o edifício e abatem cinco dos sequestradores. O balanço do atentado é cruel: 67 mortos e mais de 300 feridos.

Zimbabué: eleições parlamentares e presidenciais

Amtsvereidigung Robert Mugabe 22.08.2013

Juramento de Robert Mugabe no dia 22 de agosto

Nas eleições presidenciais de 2008 o candidato da oposição, Morgan Tsvangirai, tinha ficado à frente de Robert Mugabe, na primeira ronda, o que daria direito a uma segunda volta. Mas essa segunda volta não chegou a realizar-se, porque Mugabe iniciou uma campanha de violência, e Tsvangirai retirou-se da corrida, com medo de uma escalada da violência.

Em 2013, Mugabe anuncia aceitar o resultado das próximas eleições, qualquer que seja o resultado: "Quando se entra num processo de competição, pode sempre haver dois tipos de desfecho: ou se vence ou se perde! Em caso de derrota é certo que temos que admitir essa derrota perante os nossos adversários. E é isso que vamos fazer. Vamos aceitar as regras do jogo."

O resultado oficial das eleições é explícito: o partido de Mugabe vence com 61 por cento. O Zanu-PF conquista dois terços dos assentos parlamentares. Robert Mugabe de 89 anos de idade consegue assim reforçar a sua base de poder em 2013 e poderá mesmo proceder a alterações à constituição, sem aprovação da oposição.

Camp des mosambikanischen Militärs

Acampamento do exército moçambicano em Inchope

Moçambique: o ano de 2013 marcou o regresso à violência

Muita tensão entre os antigos movimentos beligerantes FRELIMO e RENAMO: em outubro, os dirigentes da RENAMO decidem, nomeadamente, suspender o tratado de paz, assinado em 1992. O Governo da FRELIMO é acusada de autoritarismo e de querer controlar todo o país. Desde abril que se registam detenções arbitrárias de oposicionistas. A RENAMO reage com ataques contra forças de segurança, sobretudo ao longo da estrada nacional EN1.

José Mucote, diretor da Rádio Save, uma rádio parceira da DW, descreve a situação que se vive nesta que é a mais importante artéria do país: "Existe um clima de medo da população, não apenas ao longo da estrada nacional. As pessoas têm medo de um retorno à guerra."

Quando as forças de segurança resolvem atacar a base da RENAMO de Satunjira na Gorongosa, a RENAMO resolve retirar-se do Acordo Geral de Paz assinado em Roma no ano de 1992. Moçambique corre o risco de reviver um dos mais obscuros capítulos da sua história: a guerra civil entre as tropas do Governo da FRELIMO e os rebeldes da RENAMO, uma guerra que terá custado a vida a quase um milhão de moçambicanos.

Itália: o naufrágio de Lampedusa

Italien Flüchtlingsdrama Lampedusa

Mortos do naufrágio de Lampedusa

No dia 3 de outubro de 2013,um barco com mais de 500 refugiados africanos a bordo afunda-se no mediterrâneo. 390 pessoas morrem afogadas. O barco vinha da Líbia, cheio de pessoas, sobretudo oriundas da Somália e da Eritreia, à procura de melhores condições de vida. Lágrimas e revolta: é essa a reação na Europa à tragédia.

O Papa Francisco também não ficou indiferente: "Quero evocar o elevado número de vítimas desta tragédia que aconteceu no mar de Lampedusa: só tenho uma palavra para descrever o que aconteceu: vergonha."

Segundo os observadores, as autoridades europeias não são eficientes para tratar do fluxo constante de imigrantes clandestinos que tentam chegar à Europa. O padre católico Abba Musse, da Eritreia, é de opinião que a Europa dever mudar de política para combater as redes de tráfico de seres humanos: "Se os países europeus querem lutar contra os traficantes, só há uma hipótese: têm que abrir as suas portas aos refugiados, para que possam entrar na Europa de forma legal."

República Democrática do Congo: a vitória sobre os rebeldes do M23

Demokratische Republik Kongo UN-Soldat M23 Rebellen

Rebelde do M23

Depois de uma decisão do Conselho de Segurança das Nações Unidas, o diplomata alemão Martin Kobler, que chefia a missão da ONU na RDC, dá ordens a 3.000 capacetes azuis, para que desmantelem os rebeldes do grupo M23. "Estamos aqui no Congo para proteger os cidadãos", disse Kobler. "Atuamos com todos os meios disponíveis ao lado do exército oficial congolês."

Os rebeldes sofrem uma derrota e tudo indica que ela será duradoira. A 5 de novembro o M23 apresenta a sua capitulação.

República Centro-Africana: mais um foco de instabilidade em África

Em março, a Séléka, uma aliança de vários grupos rebeldes, inicia o golpe contra o governo de Bangui. O dirigente rebelde Michel Djotodia é declarado Presidente de transição. Mas a população cada vez mais sofre com o caos em que o país mergulha. O conflito entre muçulmanos e cristãos intensifica-se. Sucedem-se casos de assaltos, pilhagens e violações, muitas vezes perpetrados por membros do próprio Séléka.

Konflikt zwischen Christen und Muslimen in Zentralafrikanischer Republik 10.12.2013

Conflito entre cristãos e muçulmanos na República Centro-Africana

Andreas Mehler, do Instituto Leibnitz, de Hamburgo, descreve a situação: "É uma autêntica catástrofe: na República Centro-Africana há muita gente subnutrida, a assistência médica também desmoronou, as crianças deixaram de frequentar escolas. Cerca de 1,6 milhões dos 4,6 milhões habitantes do país precisam de ajuda de emergência."

Os Estados Unidos da América e a França chamam a atenção de que poderá acontecer um genocídio. O Conselho de Segurança da ONU decide que é necessária uma intervenção internacional. Em dezembro, a França envia mil soldados e inicia uma ofensiva com o objetivo de desarmar os rebeldes.

2013: o ano do adeus a Mandela

"O nosso querido Nelson Rolihlahla Mandela, o nosso Presidente, fundador da nossa nação democrática, desapareceu. Faleceu na paz na companhia da sua família, por volta das 20h50 do dia 5 de dezembro", anunciou Jacob Zuma, o Presidente sul-africano, muito comovido, a morte de Nelson Mandela.

Nelson Mandela lutou praticamente durante toda a sua vida contra o "apartheid", a separação das raças na África do Sul. Lutou contra a injustiça e a favor da liberdade. Como estudante lutou contra o regime de segregação racial, foi prisioneiro político durante 27 anos. Em 1990 recuperou a liberdade. Em 1994 é eleito Presidente.

A 15 de Dezembro é, finalmente, enterrado em Qunu, sua aldeia natal. As ceremónias do adeus a "Madiba" contam com a presença de cerca de 100 chefes de Estado e de Governo.

O ano de 2013 foi, também, o ano do adeus a Nelson Mandela.

Nelson Mandela tot

Nelson Mandela

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados