1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Restabelecida comunicação rodoviária entre Manica e Tete no centro de Moçambique

Homens armados abriram uma cratera numa estrada do distrito de Barué, no centro de Moçambique, após intensos confrontos militares. A circulação foi interrompida durante várias horas entre as províncias de Manica e Tete.

default

Estrada entre Manica e Tete cortada por homens armados

Homens armados, presumivelmente da RENAMO abriram uma enorme cratera na estrada nacional número 7, no troço entre o rio Púngwe e a vila de Catandica, no centro de Mocambique, causando a interrupção temporária, da comunicação rodoviária entre as provincias de Manica e Tete.

O buraco, de quase um metro de profundidade e que atravessa toda a largura do pavimento de uma das principais estradas do centro de Moçambique, foi aberto na noite de sábado (16.04.), após intensos confrontos entre as Forças de Defesa e Segurança e homens armados, presumivelmente da RENAMO (Resistência Nacional Moçambicana), impedindo por completo o trânsito de viaturas nos dois sentidos.

Entretanto, a via foi restabelecida, cerca de seis horas depois por uma equipa da Direção provincial das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos, como o apoio da população local.

A Polícia destacou para o local um contingente a fim de garantir a proteção de pessoas e bens e repor a ordem na região. Houve danos em três viaturas que caíram na cratera e três feridos ligeiros.

"Ato crimonoso e de sabotagem"

O comandante provincial da Polícia da República de Moçambique (PRM) em Manica, Armando Mudem, considerou o ato como sendo uma sabotagem realizada por homens armados da RENAMO. “Bandidos armados mobilizaram uma parte da população e conseguiram abrir uma vala na estrada impossibilitando desse modo a circulação de pessoas e bens. A cratera aberta possui um metro de largura e 50 centímetros de profundidade”.

Armando Mude acrescentou que o local "não tinha sinalização e três viaturas, dois camiões e um veículo ligeiro, caíram no buraco. Dois pegaram fogo dado que transportavam combustível e madeira respetivamente” explicou o comandante.

Ouvir o áudio 04:00

Restabelecida comunicação rodoviária entre Manica e Tete no centro de Moçambique

Mude descreveu o ato como sendo criminoso, sustentando não compreender que uma estrada possa ser cortada, porque ela serve a todos, incluindo familiares dos próprios autores desta ação.

Um dos automobilistas entrevistado no local disse à DW África que "seguia à minha frente um veículo ligeiro de passageiros que foi obrigado a parar por um grupo de homens armados e mais à frente vi um camião que caiu na vala depois do seu motorista ter perdido o controlo. A partir dessa altura vi que algo de anormal estava a acontecer. Andei mais alguns metros e comecei a ouvir tiros". O automobilista disse à nossa reportagem que "com o aumento de intensidade dos disparos" resolveu parar o camião. "Desci e escondi-me no mato. Só ouvia os homens armados a perguntar onde está o motorista, onde está o motorista. E como não saí do mato, então queimaram o meu camião".

Veículos moçambicanos e estrangeiros afetados pela situação

Entretanto, a Polícia continua a perseguir os homens armados da RENAMO para evitar que "continuem a criar obstáculos ao processo de desenvolvimento económico e social do país" disse uma fonte à DW África que solicitou o anonimato.

A situação não afeta apenas os veículos moçambicanos na medida em que entre as viaturas retidas se encontravam camiões que transportavam combustível, produtos alimentares e outras mercadorias, neste corredor muito utilizado para a exportação ou importação dos países vizinhos como Zimbabwe, Zâmbia e Malawi.

Recorde-se que, desde fevereiro, foram registados vários ataques atribuídos pelas autoridades a homens armados da Renamo nas principais estradas do centro de Moçambique e que levaram o Governo a ativar escoltas militares obrigatórias a viaturas civis em dois troços na província de Sofala da N1, a principal via do país.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados