1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Residência do ativista de Cabinda Arão Tempo invadida por agente do SINSE

Arão Bula Tempo avisa o regime angolano: quanto mais perseguir os cabindeses aumentará ainda mais o espírito independista no seio da população.

default

Arão Bula Tempo

O ativista cabindês, que esteve detido durante 62 dias, acusado de crime contra a segurança do Estado, aparentemente por estar a organizar uma manifestação anti-governamental, denunciou à DW África ter perseguido e capturado um agente dos Serviços de Inteligência e Segurança do Estado (SINSE) que invadiu a sua residência.

Arão Bula Tempo, que é também presidente do Conselho Provincial de Cabinda da Ordem dos Advogados de Angola, conta que, após a captura, apresentou o inivíduo à Procuradoria-Geral, conseguindo saber que se tratava de um agente dos serviços secretos que trabalhava em parceria com a Direcção Provincial dos Serviços de Investigação Criminal.

O agente em causa foi posto em liberdade na manhã desta segunda-feira (20.07), o que, para o ativista, é um sinal claro de que a sua vida corre perigo. "Ainda não fui informado se deveria ir à DPIC (Direção Provincial de Investigação Criminal) prestar declarações e alguém já me disse que a pessoa foi posta em liberdade. Para mim, é um trabalho que os serviços secretos estão a realizar em volta da minha pessoa. A qualquer momento, posso enfrentar situações nefastas pondo em causa até a minha vida e a minha liberdade", destacou Arão Tempo.

Marcos Mavungo está preso desde 14 de março

Arão Tempo - que foi preso no mesmo dia que José Marcos Mavungo, a 14 de março - está sujeito a termo de identidade e residência e continua bastante debilitado devido às torturas físicas e psicológicas que sofreu enquanto esteve na prisão. Marcos Mavungo continua detido e sem julgamento.

Angola Arao Bula Tempo Aktivist in Cabinda

Para o ativista Arão Bula Tempo a sua vida corre perigo

O ativista Arão Bula Tempo avisa ao regime angolano que quanto mais perseguir os cabindeses aumentará ainda mais o espírito independista no seio da população. "Quanto mais apertarem os ativistas mais força vão dando a esses homens e a própria população já reconhece que existe um problema e que esse problema é que faz com que os seus filhos, sobrinhos, netos...sejam perseguidos e aumenta mais o espírito independentista".

A DW África contatou o Procurador-Geral adjunto de Cabinda, António Nito, que negou que o indivíduo que invadiu a casa do ativista Arão Tempo seja um agente dos serviços secretos. Adiantou ainda que o indivíduo em causa foi posto em liberdade mediante uma caução e com termo de identidade e residência. "Não faz parte da secreta. É um cidadão angolano e, como tal, um processo começou a ser instruído. Ele já foi restituído à liberdade mediante o termo de identidade e residência".


"Em Cabinda niguém é perseguido" diz PGR adjunto de Cabinda


Ouvir o áudio 03:12

Residência do ativista de Cabinda Arão Tempo invadida por agente do SINSE

Questionado sobre as violações dos direitos humanos em Cabinda e que medidas as autoridades estarão a tomar no sentido de proteger a integridade física dos ativistas que se queixam constantemente de estarem a correr perigo de vida, o Procurador-Geral adjunto de Cabinda minimizou a situação, alegando que em Cabinda não há violação dos direitos humanos e ninguém é perseguido por criticar o Governo.

"Posso garantir que os direitos humanos em Cabinda não são aquilo que uma certa imprensa noticia com um certo sensacionalismo e algumas pessoas dizem. Não é nada disso. Os direitos humanos são respeitados aqui em Cabinda", afirma o PGR.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados