RENAMO reafirma que continua aberta ao diálogo | Moçambique | DW | 28.10.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

RENAMO reafirma que continua aberta ao diálogo

As últimas notícias provenientes de fonte militar e citadas pela LUSA dão conta que o exército governamental terá recuperado o controlo da sede da vila de Maringué, no centro de Moçambique.

default

Membros da RENAMO na Gorongosa (08.11.2012)

Antes de se saber que o exército governamental voltou a controlar Maringué e tomou a sede da RENAMO no centro do país, o maior partido da oposição moçambicana boicotou esta segunda-feira (28.10) as conversações com o Governo, mas garantiu que "continua aberto ao diálogo", mediante a presença de observadores, considerando que o executivo usa "estratégia dupla: diálogo na mesa e plano militar ativado no terreno".

Desde que foi desalojado do acampamento em que vivia em Satunjira,
na província de Sofala, centro de Moçambique, pela ofensiva do exército moçambicano, o líder da RENAMO Afonso Dhlakama é dado pela imprensa local como "fugitivo", mas desconhece-se se pesa sobre ele um mandado judicial.

O chefe da delegação da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO) nas
conversações com o executivo moçambicano, Saimone Macuiane, disse hoje aos
jornalistas que o principal partido da oposição e o seu líder "continuam a defender a negociação ou diálogo como solução única para ultrapassar a crise política que se vive no país".

Contudo, Macuiane acusou o Governo de recusar a presença das personalidades Lourenço do Rosário, reitor da Universidade Politécnica, e Dinis Sengulane, bispo da Igreja Anglicana em Moçambique, escolhidas pela RENAMO para mediarem o conflito.

Esta segunda-feira, as duas delegações não realizaram o habitual encontro do início da semana porque a RENAMO enviou um ofício ao executivo moçambicano, condicionando a presença de facilitadores, mas até à hora do início da discussão não obteve resposta da delegação governamental.

Enquanto isso, Moçambique atravessa a sua pior tensão política e militar desde a assinatura do Acordo Geral de Paz em 1992.

Lourenço do Rosário (LR) Reitor da Universidade Politécnica de Moçambique, foi entrevistado pela DW África.

DW África: O que é importante neste momento com vista a pôr cobro à crise que se instalou em Moçambique?

LR: Informàmos à RENAMO que o importante é solucionar o problema militar porque aquele partido tem enfatizado que sem resolver o problema do pacote eleitoral não há conversações sobre a desmilitarização e a segurança. Mas, dadas as circunstâncias neste momento em que a base foi ocupada, o líder da RENAMO encontra-se em parte incerta, não faz sentido que se insista nisso porque não me parece que seja prioritário. O prioritário neste momento é resolver a questão da segurança.

DW África: Mas considera que existem perspectivas de a RENAMO aderir a este ponto de vista?

LR:
Penso que existem poucas condições de poder não aderir a estas condições e abrirem-se perspectivas de diálogo.

DW África: Porquê o governo atacou a base de Satunjira e o que pretende agora?

LR:
Só lhe posso dizer o que foi publicado e dito nos discursos oficiais e da RENAMO. A RENAMO diz que foi o Governo que provocou e o Governo diz precisamente o contrário. Portanto, nós na opinião pública não sabemos concretamente o que se passou.

DW África: Visto de fora, isto parece um conflito em torno da partilha das consideráveis riquezas do país. Concorda com esta visão?

LR: Esta questão da partilha equitativa das riquezas está na agenda que a RENAMO colocou à discussão e que comporta quatro pontos: o pacote eleitoral, questões de defesa e segurança, o problema da partidarização do aparelho do Estado e, finalmente, a equidade na partilha das riquezas.

DW África: Relativamente à exigência de observadores estrangeiros ou independentes, será que o líder da RENAMO quer manifestar um certo receio quanto à segurança da sua própria pessoa?

LR:
Quando se transforma uma questão de polícia numa situação militar tudo pode acontecer. Naturalmente não seria bom para a estabilidade do país qualquer problema que sofresse o líder da RENAMO, porque isso traria uma incógnita para o xadrez político bastante grande…

DW África: Como cidadão moçambicano como vê a perspectiva da paz?

LR:
Como estou envolvido nisto, tenho algum optimismo de que de facto não interesse a nenhuma das duas partes aquilo que se chama de “solução final”, que é o Governo com os seus meios bélicos muito superiores tentar fazer uma operação de limpeza. Existem adeptos desta solução, como também do lado da RENAMO existam pessoas que defendem o reinício da guerrilha, fechar as estradas, abater os postos de electricidade, sabotar os caminhos de ferro, etc… Só que penso que ainda é uma bolsa de opinião muito minoritária no país. O grosso da população, as organizações da sociedade civil, as organizações religiosas e mesmo muitos políticos, de forma geral, não defendem esta via.

Ouvir o áudio 04:03
Ao vivo agora
04:03 min

RENAMO reafirma que continua aberta ao diálogo


Leia mais

Áudios e vídeos relacionados