1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

RENAMO exige justiça para membros detidos durante as eleições

O maior partido da oposição moçambicana está indignado com a justiça. Quinze dias depois das eleições ainda não sabe quantos membros seus estão detidos. A RENAMO também já anunciou que negará os resultados das eleições.

default

Panfleto da RENAMO e do seu candidato durante as eleições gerais de 2009

Cerca de 20 jovens da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO) foram detidos pelas forças especiais da Polícia nos postos administrativos de Munhava e Inhamizua, nos arredores da cidade da Beira, província central de Sofala.

Na noite do dia 15 de outubro, os jovens teriam se envolvido em tumultos que paralisaram a circulação de pessoas e bens na única via terrestre que dá acesso a Cidade da Beira.

"A polícia disparou com armas de fogo e gás lacrimogéneo contra eleitores para intimidar, dispersar e até matar", revelou Rafael António Gusmão, membro da RENAMO, durante uma conferência regional centro e norte do seu partido que teve lugar esta esta terça-feira (28.10).

Wahlen Mosambik 15.10.2014 Afonso Dhlakama

Afonso Dhlakama, líder da RENAMO

Presos sem direito a assistência jurídica

A RENAMO afirma que a sua equipa de assistência jurídica tem enfrentado barreiras por parte das autoridades prisionais quando tenta manter qualquer contacto com os seus constituintes que se encontram presos.

Este grupo de membros da RENAMO terá sido detido quando deitou por terra uma tentativa de introdução de uma quantidade não especificada de boletins pré-votados nas assembleias de votos da Munhava, o bairro mais populoso da cidade da Beira.

A RENAMO não acredita que todos os detidos tenham presenciado o caso porque muitos deles foram abordados pela polícia na via pública. Os guardas prisionais foram instruídos a não permitir aos detidos nenhum contacto com o exterior, seja com a RENAMO ou com membros da família.

Bildergalerie Wahlkampf 2014 Mosambik

Apoiantes da RENAMO na campanha eleitoral de 2014 em Nampula

Oposição não aceitará resultados eleitorais

Por outro lado, suspeita-se que os detidos sejam objeto de tortura. Faltando apenas algumas horas para a Comissão Nacional de Eleições (CNE) divulgar os resultados finais das eleições gerais de 15 de outubro, uma certa calmia é vivida na cidade da Beira onde os três maiores partidos políticos concorrentes continuam a aguardar com muita serenidade o anúncio oficial.

Tanto a Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO), o partido no poder, como o Movimento Democrático de Moçambique (MDM), a segunda maior força da oposição, garantem que os dados oficiais não irão trazer grandes alterações aos resultados já conhecidos.

Já a RENAMO anunciou que já obteve 139 mandatos na Assembleia Nacional e o seu candidato às presidenciais, Afonso Dhlakama, venceu em todo o país.

Rafael Gusmão garante que "o candidato presidencial da RENAMO vence as eleições com 80% dos votos. Face às conclusões a que se chegou delibera a não aceitação de qualquer outro resultado diferente deste apurado."

Ouvir o áudio 02:47

RENAMO exige justiça para membros detidos durante as eleições

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados