1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

"RENAMO consegue financiar-se militarmente" considera analista

Numa altura de confrontos e uso de armamento bélico em Moçambique por parte da RENAMO, a DW África falou com o analista político Calton Cadeado para perceber quais são as fontes de financiamento da oposição moçambicana.

Calton Cadeado considera que os países próximos de Moçambique não estão a financiar a Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), por temerem a instabilidade de um país no qual possuem interesses. Ainda assim, acredita que se criaram parcerias com certos atores.

Para além do financiamento político, o analista admite a hipótese de negócios envolvendo pedras preciosas e até mesmo marfim, por parte da RENAMO. À DW África, Cadeado explicou como consegue financiar-se o maior partido da oposição moçambicana.

DW Àfrica: Como é que a RENAMO se financia?

Calton Cadeado (CC): Em primeiro lugar, é preciso distinguir a RENAMO política da RENAMO militar. Politicamente, sempre soubemos que a RENAMO se abastece a partir dos assentos que tem no Parlamento. É essa a fonte de dinheiro que todos conhecemos. Mas, provavelmente, há que equacionar a possibilidade de parcerias que a RENAMO estabeleceu com outros atores estatais e não estatais que, infelizmente, ainda não são do conhecimento de todos nós. Nós podemos especular com base na história, que nos diz que a RENAMO foi um grupo armado e que, provavelmente, não se desarmou como se esperava. Há a possibilidade de ela ativar alguns esconderijos de materiais bélicos que a RENAMO nunca fez desaparecer.

Calton Cadeado

O analista político Calton Cadeado

DW África: O tráfico de marfim e pedras preciosas poderia também ser uma fonte de financiamento?

CC: Sem dúvida, também pode ser. Como se sabe hoje, o líder da RENAMO tem algum empreendimento comercial nessa área. Mas não sei se serviria de facto para financiar a compra de material bélico ou se se destinava a fins pessoais, no dia-a-dia, como cidadão. Quanto à questão do tráfico de marfim, não temos nenhuma evidência de que a RENAMO - como um partido, como uma ala militar - esteja envolvida em negócios dessa natureza. É um negócio ilegal aqui em Moçambique. Se quisermos, podemos fazer essa associação. Pode ser uma associação forçada, pode prejudicar até a imagem da RENAMO. Mas, provavelmente, a questão do negócio de pedras preciosas, que todos nós sabemos que é legal, também estão a fazer. E também o dinheiro que vem da Assembleia da República.

DW África: Acha que a RENAMO poderia recorrer a assaltos a quartéis do exército ou ao paiol para abastecer o seu arsenal?

CC: Sem dúvida. Para mim, os ataques que a RENAMO efetuou nos últimos tempos, direcionados claramente às forças de defesa e segurança, também podem ser entendidos como uma forma de demonstração da sua incapacidade militar e a procura de material de guerra para continuar a ter esse poder de dissuasão, de ameaça, que sempre teve ao longo dos 21 anos de paz. Quando me apercebi que a RENAMO estava a fazer ataques às forças de defesa e segurança, apercebi-me de que era com a intenção de ir buscar equipamentos de guerra. E o ataque ao paiol, apesar de a RENAMO nunca ter confirmado a autoria, foi feito claramente para ir buscar material bélico.

Ouvir o áudio 05:15

"RENAMO consegue financiar-se militarmente" considera analista

DW África: Haveria algum país ou organização internacional interessados em financiar a RENAMO em termos de armamento?

CC: Eu diria que sim ou absolutamente que não. Aqui à volta de Moçambique temos Estados que são claramente aliados do governo moçambicano. A probabilidade de esses Estados financiarem uma guerra ou os apoiantes da RENAMO ou qualquer outro grupo que possa emergir aqui em Moçambique é extremamente prejudicial para esses países. E aqui funciona a teoria da interdependência, em matéria de segurança. A tal ponto, que a África do Sul, por exemplo, está quase tão preocupada com a segurança de Moçambique como com a sua própria segurança. Principalmente por causa dos investimentos sul-africanos aqui em Moçambique.

DW África: Fora os países da SADC, haveria outros países interessados em financiar a RENAMO?

CC: Militarmente, tenho dúvidas. Vamos olhar por exclusão ou aproximação aos que mais nos aparecem. Os Estados Unidos da América têm interesses muito fortes em Moçambique e que neste momento estão a ser satisfeitos com a estabilidade que nós temos. A França, nos últimos dias, apareceu com grande protagonismo na imprensa internacional e moçambicana por causa do negócio dos barcos que estamos a fazer. É muito dinheiro e muita aproximação dos Estados. São países grandes que, aparentemente, conhecemos como os "suspeitos do costume" que neste momento não teriam força anímica ou psicológica para se envolverem numa guerra em Moçambique, um lugar distante, e num contexto de crise económica e financeira nos seus países. E não estão a lutar por um recurso estratégico porque estão a beneficiar da exploração e pesquisa desses mesmos recursos.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados