1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Recenseamento eleitoral polémico chega ao fim em Moçambique

Comissão Nacional de Eleições fala em 10 milhões e meio de eleitores registados e faz balanço positivo. No entanto, à DW África, analista reitera que houve problemas e que os desafios se mantêm.

A Comissão Nacional de Eleições de Moçambique (CNE) faz "um balanço positivo" do recenseamento eleitoral que terminou esta sexta-feira (9.05), em Moçambique. "Tendo em conta que conseguimos chegar muito perto da meta que tínhamos estabelecido, que nos foi dada como previsão pelo Instituto Nacional de Estatística - 12 milhões de eleitores - conseguimos chegar aos 10 milhões e 500 mil, eleitores, o que representa 86,36% de execução. Por isso, é um balanço extremamente positivo", afirma o porta-voz da CNE, Paulo Cuinica.

Também do ponto de vista organizativo o organismo se diz satisfeito, uma vez que conseguiu soluções quando as enchentes dificultaram a logística e porque a CNE consegiu ultrapassar as consequências nefastas do conflito político-militar.

"Podia ter corrido melhor" diz analista

Wählerregistrierung in Maputo

Posto de recenseamento eleitoral na capital moçambicana

O elevado número de eleitores registados não é, no entanto, sinónimo de excelência, como se notou ao longo do processo. Em termos técnicos, por exemplo, houve problemas com o equipamento e faltou energia elétrica em alguns lugares, principalmente no interior do país.

Face ao paradoxo entre números e dificuldades, o jurista e especialista em média Ericino de Salema questiona a nota positiva que a CNE atribuiu ao recenseamento eleitoral, considerando que este foi "um processo viciado". "Duvido e desconfio do sucesso que se atribui ao recenseamento eleitoral", começa por afirmar o jurista, considerando que "há problemas" e "que poderia ter corrido melhor, mesmo tirando regiões como Gorongosa e Muxungué que, de certa forma, estão em conflito ou sob tensão político-militar".

"Os próprios partidos políticos e as organizações da sociedade civil poderiam fazer um pouco mais para que a afluência fosse de outro nível. Os números foram apresentados, mas ninguém os auditou", afirma.

A influência do conflito RENAMO - Governo

Ouvir o áudio 04:46

Recenseamento eleitoral polémico chega ao fim em Moçambique

Por outro lado, um processo que deveria ser independente acabou por ser afectado por contendas políticas entre o Governo da FRELIMO e a RENAMO, o maior partido da oposição. O registo que deveria ter terminado a 29 de abril foi prolongado por mais dez dias, para que os residentes de 8 regiões do distrito da Gorongosa, zona de conflito, pudessem ser recenseados, principalmente o líder da RENAMO, Afonso Dhlakama.

O processo ficou refém dos avanços e recuos nas mesas de negociações que visam pôr fim à tensão político-militar no país. Pode-se com tudo isso afirmar que o Governo e a RENAMO manipularam o recenseamento eleitoral consoante os seus interesses? Ericino de Salema responde "não necessariamente" e explica que "o processo talvez não tenha merecido a abertura e profundidade que seriam esperadas, tendo em conta que já estamos em democracia há duas décadas". "Claro que a FRELIMO e a RENAMO acabaram também envolvendo a questão do recenseamento naquilo que são os diferendos que as opõem", reitera, no entanto.

CNE Mosambik

Sede da Comissão Nacional de Eleições de Moçambique, em Maputo

E como o recenseamento eleitoral é cíclico, todos os problemas podem voltar a acontecer se não forem tomadas medidas. E ainda há desafios, segundo Ericino de Salema que lembra que Moçambique "tem órgãos eleitorais permanentes já há algum tempo", mas "era suposto que a educação cívica fosse também permanente". Ou seja, segundo o analista, seria necessário que, "durante estes 5 anos, aqueles que recebem salários mensalmente cuidassem de praticar a educação cívica junto dos cidadãos, sobre os seus direitos fundamentais e a participação política". "Agora, em períodos eleitorais, haveria educação eleitoral: como votar e por aí fora. A questão é muito mais profunda do que podemos supor", conclui.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados