1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Rádio LAC suspende programa incómodo ao regime angolano

A emissora local Luanda Antena Comercial (LAC) baniu da sua grelha o espaço de opinião “Elas e o Mundo” devido ao seu pendor crítico e independente. Era um dos programas mais ouvidos da estação radiofónica angolana.

Depois do encerramento, em novembro de 2014, do Angolense, um semanário incómodo ao regime angolano, a liberdade de imprensa e de expressão em Angola acaba de sofrer mais um duro golpe com a suspensão do espaço de opinião ''Elas e o Mundo''.

Até agora, este era o único programa radiofónico em Angola onde as mulheres discutiam várias questões da vida política e económica, nacional e internacional, sem qualquer interferência política ou da direção da rádio.

Talvez tenha sido esse o motivo pelo qual o programa foi banido da grelha de programação daquela rádio por supostamente ter revelado algo incómodo ao poder político. Contudo, a direção da LAC, em comunicado enviado às integrantes do programa, limitou-se apenas a informar sobre o fim do programa, sem adicionar outra informação.

Decisão polémica

Perplexa, a jornalista Suzana Mendes, que durante vários anos integrou o programa “Elas e o Mundo”, diz ter recebido a notícia com “profunda tristeza”.

Ouvir o áudio 03:32

Rádio LAC suspende programa incómodo ao regime angolano

“Foi um espaço de debate, onde pude exprimir livremente a minha opinião durante um longo período. “Neste momento sinto um vazio porque era um compromisso também com os ouvintes, mas quando recebemos a comunicação da direcção da LAC, respeitamos” a decisão, contou à DW África.

A secretária-geral do Sindicato dos Jornalistas de Angola, Luísa Rogério, também manifestou “muita apreensão e tristeza” e um “profundo desapontamento” pelo fim do espaço de opinião da LAC, “um dos programas de maior audiência, não só da LAC, mas geral”, sublinha.

Para a da sindicalista, “Elas e o Mundo” era um programa que se destacava “pelas abordagens que fazia e pela pertinência e, sobretudo, pela oportunidade que dava a vozes contraditarias”. Na opinião de Luísa Rogério, há motivos mais do que suficientes para desconfiar da decisão.

Imprensa privada sufocada

Para muitos, este é só mais um exemplo de que a liberdade de expressão em Angola está cada vez mais limitada, com a imprensa privada a ser profundamente sufocada para que não possa cumprir com o seu papel social.

UNITA Flagge auf einer Kundgebung in Huambo in Angola

UNITA é acusada de censurar Rádio Despertar em Angola

Desde 2010, a maioria dos órgãos de comunicação social no país foram compradas por empresas próximas ao regime de Luanda, com objetivo de limitar as críticas contra a governação do Presidente José Eduardo dos Santos.

Em Angola, num universo de mais de uma centena de órgãos de comunicação social, entre jornais, rádios e televisões, apenas dois órgãos não estão sob controlo do regime angolano: o jornal Folha 8 e a Rádio Despertar, emissora ligada ao maior partido da oposição, a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA).

Limitações na Rádio Despertar

Porém, também na Rádio Despertar a liberdade de imprensa e de opinião tem as suas limitações. Por exemplo, não é dado espaço a quem critica a UNITA, afirma o historiador e jornalista Makuta Nkonda.

“Não é só o MPLA (no poder) que coarta a liberdade de expressão em Angola como também essa dita oposição”, critica o jornalista. Makuta Nkonda sublinha que a Rádio Ecclesia e a Rádio Despertar são privadas, “mas existem listas negras”.

“Quem quiser ser aceite na emissora da UNITA, que é a Rádio Despertar, tem que te quer uma mensgaem unilateral, condenar tudo o que é do MPLA e bater palmas e louvar tudo o que é da UNITA”, acusa.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados