1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Quinze anos de "paz militarizada" em Cabinda

Angola celebra esta terça-feira (04.04) 15 anos de paz, de Cabinda ao Cunene. Mas Cabinda é a região angolana onde há mais tensão militar, sublinha o padre Jorge Congo. Diz que faz tudo parte da estratégia do Governo.

Cabinda nada ganhou com esta paz, considera Jorge Casimiro Congo. Segundo o defensor da auto-determinação do povo cabindês, com o calar das armas em Angola, a tensão militar aumentou no território.

Daí o incremento de dificuldades de todo nível, apesar da riqueza da região. "São 15 anos de nulidade, 15 anos de sofrimento e 15 anos de bulldozer, isto é, o desaparecimento de quase tudo.", explica o sacerdote em entrevista à DW África.

"O Governo angolano joga com o tempo, o tempo das gerações mais lúcidas acabar, o tempo do cansaço político das pessoas e sobretudo o tempo do desespero das esperanças da população de Cabinda acabar", afirma. "É o que temos agora e o que vamos viver agora", conclui o docente universitário.

Ouvir o áudio 02:03

Quinze anos de "paz militarizada" em Cabinda

Embora se fala de paz, Cabinda é o território angolano onde a presença militar é maior. Casimiro Congo diz que faz tudo parte da estratégia do Governo angolano.

"Tenho visto esta estratégia a longo prazo e a curto prazo. A curto prazo é o decapitar da FLEC", a Frente de Libertação do Estado de Cabinda, afirma.

"Ficaram só alguns líderes, uns estão no quartel general da região militar e outros continuam a resistir e vão sofrendo as traições até dos seus próprios", conta o sacerdote.

Ao mesmo tempo, denuncia ainda Jorge Congo, debilita-se também o espaço de expressão no território.

Desertificação

Angola Casimiro Congo in Cabinda

Padre Jorge Casimiro Congo

O docente mostra-se ainda indignado com o que chama de "desertificação de Cabinda", isto é, a saída dos jovens da província por falta de emprego e de oportunidades.

"Estamos a ver toda a juventude na flor da idade a partir", lamenta.

O campo petrolífero do Malongo "deu o tom", em 2015, com despedimentos de trabalhadores de empresas prestadoras de serviços à Chevron, exemplifica Jorge Congo, "tirando todas as instituições e todos os departamentos que podiam eventualmente ter cabindas e obrigou-os a todos a irem para Luanda".

"O Malongo deu esse mote e o Governo vai continuando", critica. "Sem investimentos aqui, evidentemente que não há empregos".

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados