1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Quem é responsável pelo contrabando de madeira em Moçambique?

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi criticou duramente os guardas florestais e as autoridades locais na Zambézia por não protegerem devidamente as florestas. Mas o problema está em Maputo, dizem ativistas locais.

As declarações do Presidente da República, Filipe Nyusi aquando da deslocação à Zambézia no início do mês, causaram alguma surpresa entre os populares. Nyusi criticou severamente os guardas florestais e outras autoridades locais, acusando-os de fechar os olhos à pilhagem da madeira em curso.

O Presidente disse mesmo suspeitar que as entidades responsáveis pela proteção do património florestal estão envolvidas diretamente no contrabando de madeira: "Vocês não veem o que estão a fazer? Ou os vossos olhos estão fechados com o dinheiro? Como é que a madeira é roubada da floresta e chega ao porto de Quelimane sem que seja intercetada?", disse Nyusi.

Angelo Amaro (DW/M.Mueia)

Ângelo Amaro da ONG Kukumbe defende os guardas florestais contra o Presidente

O Presidente lembrou os populares que Moçambique perde milhões com o contrabando de madeira. É preciso evitar que um pequeno grupo fique rico em detrimento da maioria dos moçambicanos, acrescentou: "Eu até sinto vergonha, quando vou visitar estes países e me perguntam: 'Como é a situação no seu país? Esta madeira, nós compramos lá a dez mil meticais (140 euros), mas aqui custa milhões de dólares'. Eu finjo que não sei de nada."

Ordens "vêm de cima"

A Direção Provincial da Agricultura da Zambézia, responsável pelos guardas florestais, não comenta as declarações de Filipe Nyusi. Remete apenas para os resultados da "Operação Tronco": no início do ano, as autoridades moçambicanas apreenderam mais de 150 mil metros cúbicos de madeira ilegal em seis províncias, incluindo na Zambézia.

Ouvir o áudio 02:49

Quem é responsável pelo contrabando de madeira em Moçambique?

Já Ângelo Amaro, diretor-executivo da organização não-governamental, Kukumbe, diz que a pilhagem dos recursos naturais não é culpa dos guardas florestais, ao contrário do que o Presidente moçambicano dá a entender. As ordens vêm de cima, acusa Amaro: "O Presidente não deveria dizer isso. O ministro dá ordens por telefonemas para a madeira passar até ao porto da Beira, por exemplo. Será que o guarda ou régulo comunitário tem autonomia de impedir? O Presidente sabe exatamente o que está a acontecer."
Sucesso no combate do abate clandestino

Amade Naleia (DW/M. Mueia)

Amade Naleia da FONGZA vê progressos no combate do abate clandestino

Amade Naleia, representante do Fórum das Organizações Não-Governamentais da Zambézia (FONGZA), acrescenta que houve melhorias nos últimos meses: o corte e venda ilegal da madeira diminuíram significativamente com a intervenção das organizações da sociedade civil.

Ainda assim continua a haver obstáculos, denuncia Naleia: "Nós, muitas vezes, ficamos surpreendidos! Intercetamos na estrada um traficante com muita madeira no seu camião. Quando vamos avisar as autoridades, dois ou três dias depois, vemos que a madeira junto com o camião já não esta lá no local e o dono foi-se embora. Nós ficamos sem perceber o que se passa."

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados