1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Que perspectivas para os jovens em África?

Só em 2015, centenas de africanos já morreram afogados nas águas do Mar Mediterrâneo, a caminho da Europa. O que estão a fazer os Governos, tanto da Europa como de África, para travar esta tragédia?

Governantes da Alemanha e de África debateram essas questões na capital alemã, Berlim, num Fórum Económico .

O Presidente do Gana, John Dramani Mahama, diz que há uma imagem que não lhe sai da cabeça – a fotografia que correu o mundo, de uma criança da Síria, com uma t-shirt vermelha, morta, numa praia da Turquia: "Aquele rapaz podia ser uma das muitas crianças africanas que morreram afogadas no Mar Mediterrâneo".

Segundo as Nações Unidas, só este ano, 70 mil africanos arriscaram a vida na travessia do Mar Mediterrâneo, de África para a Europa. Eles fogem da perseguição na Eritreia, dos ataques do grupo radical Boko Haram, na Nigéria e da guerra no Sudão ou procuram trabalho que não conseguem encontrar nos seus países.

Dschibuti Flüchtlinge

Os motivos que levam as pessoas a deixarem seus países são os mais diversos

Olhos abertos aos problemas

O ex-Presidente alemão, Horst Köhler, questiona os Governos africanos: "Por que eles aparentemente se recusam a aceitar a existência de pessoas que arriscam a vida só para sair dos seus países? Que esforço fazem esses Governos para oferecer perspectivas aos jovens?"

Dos cerca de 800 mil refugiados que são esperados este ano na Alemanha, 15 a 20 por cento deverá vir de África, segundo estimativas oficiais.

O ministro alemão do Desenvolvimento, Gerd Müller, quer cooperar mais com os Governos africanos. Baseado nisso, Horst Köhler reforça a necessidade de iniciar um projecto conjunto [Europa e África] de formação, particularmente para mulheres e jovens, destaca ele.

Togo Ministerin Victoire Dogbé-Tomegah

Victoire Tomégah-Dogbé, ministra para o Desenvolvimento e Juventude do Togo

Soluções africanas

Apenas uma pequena parte dos refugiados vem para a Europa. Em África, há cerca de 15 milhões de pessoas deslocadas, que fugiram de suas casas para outras regiões do país ou foram para Estados vizinhos. Mas o que fazer neste caso?

"Cada localidade deve oferecer acesso a um mínimo de educação, serviços de saúde e oportunidades de negócio", defende Victoire Tomégah-Dogbé, ministra para o Desenvolvimento e Juventude do Togo – onde, no ano passado, 400 mil pessoas tiveram acesso a microcréditos.

Kassi Jean-Claude Brou, ministro da Indústria da Costa do Marfim, acrescenta que sem infra-estrutura, os jovens vão embora. "Épreciso electricidade, água e estradas", enfatiza.

Berlin 15th International Economic Forum on Africa

Fórum Económico, em Berlim reuniu autoridades alemãs e africanas

Os motivos para se deslocar de um país a outro são os mais diversos. Na opinião do jovem Ousseini Ouedraogo, do Burkina Faso, a fuga também é desencadeada por uma questão política. "Os jovens africanos não são envolvidos nas decisões políticas. São eles que vão para as ruas protestar contra os políticos! Eles não têm perspectivas. Eles precisam de trabalho e não podem ser esquecidos pela política", diz ele. Do contrário, irão embora.

Ouvir o áudio 02:44

Que perspectivas para os jovens em África?

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados