Quatro pessoas morrem em acidente com autocarro em Inhambane | Moçambique | DW | 09.09.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Quatro pessoas morrem em acidente com autocarro em Inhambane

Em menos de uma semana, a província de Inhambane, no sul de Mocambique, voltou a registar mais um acidente de viação. Este sábado (09.09), quatro pessoas morreram e várias ficaram feridas. Três ainda estão internadas.

Mosambik Inhambane - Autounfall (DW/L. d. Conceição)

Autocarro da companhia Mazenga

O sinistro ocorreu por volta das seis horas da manhã deste sábado (09.09), na zona de Magumbe, distrito de Massinga, e envolveu um autocarro da companhia de transporte público "Mazenga" e uma pequena camioneta.

O autocarro deslocava-se da localidade de Hunguana, distrito de Massinga, e tinha como destino a cidade de Maputo. O motorista do mesmo tentou sem sucesso fazer uma ultrapassagem irregular, quando embateu-se com uma camioneta que vinha na direção contrária.

O motorista da camioneta, que teve a cabine completamente destruída, morreu no local. Outras três pessoas, entre passageiros do autocarro e da camioneta, também perderam a vida no acidente.

Mosambik Inhambane - Autounfall (DW/L. d. Conceição)

Restos da camioneta acidentada

Em com contacto com a DW África, o comandante distrital da Polícia da República de Moçambique (PRM) em Massinga, Jonas Feliciano, disse que as causas do acidente foram a ultrapassagem irregular, aliada ao excesso de velocidade.

"No local, perderam a vida quatro pessoas, cinco tiveram ferimentos graves e ligeiros sendo que três ainda continuam internadas no Hospital Distrital de Massinga", revelou.

Ainda segundo Feliciano, "dos quatro óbitos, três pessoas são de nacionalidade malawiana e um moçambicano".

Questionado sobre se os corpos dos estrangeiros serão transladados, o comandante distrital da PRM respondeu que "ainda é muito prematuro avançar sobre isso, porque ainda estamos a trabalhar no assunto junto com outras autoridades da Justiça. Só depois poderemos falar algo ao respeito".

Stélio Tembe, médico-chefe provincial em Inhambane, garantiu à DW África que as vítimas que deram entrada no Hospital Distrital de Massinga já estão foram de perigo, apenas três pessoas ainda continuam internadas.

"Alguns tiveram alta ainda hoje [sábado] e três estão sob cuidados médicos, mas já saíram do perigo e, ao longo da próxima semana, poderão ter alta - por isso que não serão transferidos para o Hospital Provincial de Inhambane", garantiu.

Mosambik Busunglück auf der N1 zwischen Maputo und Inhambane (DW/L. da Conceicao)

Domingo passado, 12 pessoas perderam a vida em acidente na N1, entre Maputo e Inhambane

À espera de solução
A DW África tentou sem sucesso ouvir o governador de Inhambane, Daniel Chapo. A porta-voz do Governo Provincial, Assissa Carimo, falou num programa radiofónico da imprensa local que mecanismos estão sendo estudados para travar o índice de acidentes de viação nesta região do sul de Moçambique.

"Estamos a pensar em estudar mecanismos de como reduzir os acidentes de viação ao nível da província, cada semana temos registado vários tipos de acidentes de aviação. Sendo que muitas famílias estão a ficar de luto", disse.

Antes do acidente que ocorreu no distrito de Zavala na semana passada, Carimo divulgou que 16 pessoas teriam perdido a vida por acidente de viação. Sendo assim, pelo menos 32 pessoas morreram em 13 acidentes de viação ao longo deste ano de 2017, em Inhambane.

A companhia "Mazenga", detentora do autocarro que se acidentou este sábado, teve um outro veículo envolvido num acidente que deixou 16 mortos no ano passado, ao longo da Estrada Nacional 1 (N1), quando saía de Vilankulo com destino a Maputo.

Recentemente, a DW publicou uma matéria sobre a falta de infraestrutura da EN1, principal rodovia do país. Entre as províncias de Inhambane e Zambézia, onde se concentrou a reportagem, muitos automobilistas alertaram para o risco de acidentes naquela estrada. Em 2015, o Governo prometeu reparos, mas até agora nada aconteceu.

Leia mais