Protestos de refugiados no norte de Moçambique | Moçambique | DW | 02.11.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Protestos de refugiados no norte de Moçambique

Centenas de refugiados do Centro de Maratane, na província nortenha de Nampula, manifestaram-se contra a falta de sabão e óleo, que não são distribuídos há sete meses. Governo reconhece o problema e apela ao diálogo.

Cada família tem direito a receber, por mês, nove quilos de milho e feijão, meio litro de óleo alimentar e uma barra de sabão. Mas estes dois últimos produtos já não são distribuídos há sete meses, queixam-se os refugiados do Centro de Maratane.

A situação gerou revolta e levou centenas de refugiados, na sua maioria mulheres, a protestar, esta quarta-feira (01.11), em frente ao edifício da administração do centro para exigir esclarecimentos das autoridades governamentais e também dos representantes do Programa Alimentar Mundial (PAM) e do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

"Só recebemos milho e feijão boer, que na nossa terra nunca comemos", conta Bahaate Antuany. A presidente da Associação da Mulher Refugiada de Maratane sublinha ainda que as crianças estão a contrair muitas doenças.

Ouvir o áudio 03:02

Protestos de refugiados no norte de Moçambique

Segundo a responsável, as organizações internacionais que apoiam o centro já disseram que não dispõem de verbas para adquirir os produtos mais exigidos pelos refugiados. "O PAM e o ACNUR falaram que não têm dinheiro. Mas é possível comer seis meses sem óleo? Ficar sem lavar roupa?", pergunta Bahaate Antuany.

Os refugiados já informaram que se recusam a receber donativos enquanto não chegar óleo e sabão. "O ACNUR disponibiliza fundos de um ano, de janeiro a dezembro, e esse dinheiro onde foi [aplicado]? ", questiona Bahaate Antuany.

Fatuma Rixaza, refugiada no Centro de Maratane, queixa-se de outro problema. "Há crianças nas escolas e já há cinco meses que não recebem pensos", lamenta.

"Sem diálogo não há consenso"

O Governo moçambicano, através do administrador do Centro de Refugiados de Maratane, António Luís Gonzaga, reconhece o problema e apela ao diálogo. "Vamos chamar novamente o chefe do escritório do ACNUR, com o chefe do PAM vamos ter uma conversa pacífica e vamos entender-nos. Sem diálogo não há nenhum consenso", lembra.

Os protestos dos refugiados foram pacíficos e sem espaço para tumultos, mas a polícia esteve presente e foi solicitado um reforço para garantir a ordem e evitar possíveis focos de violência.

Localizado a 25 quilómetros da cidade nortenha de Nampula, o Centro de Refugiados de Maratane é o primeiro e o maior centro de refugiados de Moçambique e acolhe cidadãos estrangeiros que fugiram de países em conflito.

Aqui vivem mais de 12 mil requerentes de asilo e refugiados, oriundos sobretudo da região dos Grandes Lagos, nomeadamente Republica Democrática de Congo (RDC), Burundi, Ruanda, Somália e Etiópia.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados