Promessas de emprego viram burlas em Moçambique | Moçambique | DW | 12.02.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Promessas de emprego viram burlas em Moçambique

Em Manica, centro de Moçambique, têm aumentado os casos de burlas e falsas ofertas de emprego. As autoridades alertam para estes esquemas, que já fizeram centenas de vítimas. Dez burlões foram já detidos pela polícia.

default

Burlões prometem aos jovens empregos no aparelho do Estado e bons salários em troca de grandes quantias de dinheiro

A maior parte dos burlados são jovens recém-formados, à procura do primeiro emprego. Os burlões fazem-se passar por funcionários públicos e prometem empregos no aparelho do Estado e bons salários, a troco de dinheiro. Alguns garantem, até, a admissão imediata em concursos de institutos de formação de professores e no setor da saúde.

Uma das vítimas de burla, falou à DW África na condição de anonimato, conta que, quando terminou a décima segunda classe, contactou um indivíduo que lhe prometeu um bom emprego e regalias aliciantes. Mas acabou por ser enganado.

Ouvir o áudio 02:49

Falsas promessas de emprego viram burlas em Moçambique

"Primeiramente, pediram-me cinco mil, depois disse-me que faltava outra coisa e começou a contar várias histórias. Então, aquele valor começou a subir até atingir os 30 mil meticais", conta o jovem.

"Entretanto, levaram os meus documentos, uma cópia da carta de condução, porque me prometaram que iria andar de carro e trabalhar num bom gabinete. Depois, desapareceram. Em relação aos valores, não foram devolvidos até agora. Só sei que o tal indivíduo foi preso."

Dez detidos por burla

As autoridades estão preocupadas com o aumento dos casos de burla e extorsão. A porta-voz do comando provincial da Polícia de Manica, Elsídia Filipe, deixa o aviso: vagas de emprego não se compram. Aos cidadãos, pede que "se distanciem destes corta-matos que acabam muitas vezes por sair caro. Acabam incorrendo numa uma situação de burla, dando dinheiro sem retorno e sem o emprego prometido, que nunca existiu."

Mosambik Elsidia Filipe in Manica

Elsídia Filipe: "Acabem com estes corta-matos"

Segundo Elsídia Filipe, de 2017 até janeiro de 2018 foram neutralizados dez burlões que causaram centenas de vítimas. Alguns estão já a cumprir pena pelos crimes que cometeram. "O apelo que deixamos é que constitui crime, punível nos termos da lei. Distanciem se deste tipo de comportamento, sob o risco de serem responsabilizados do ponto de vista legal", sublinha ainda a porta-voz da Polícia da República de Moçambique (PRM) em Manica.

Um dos burlões já detido pela polícia, explica como funciona o esquema. "Primeiro, contactei um dos meus amigos aqui na cidade que havia vaga. De facto, ele acabou concordando com a vaga. Ele deu-me dinheiro, cerca de 28 mil meticais (cerca de 370 euros). Esse meu amigo procurou outro amigo dele de confiança, dizendo que eu já consegui vaga. Depois, veio outro, que conversou comigo e recebi mais 19 mil (cerca de 250 euros). E à última pessoa cobrei outro valor. Somando as despesas todas, daria qualquer coisa como 50 mil meticais (cerca de 660 euros)."

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados