1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Professores angolanos em greve reclamam melhores condições laborais

Professores angolanos do ensino geral entraram em greve, convocada pelo Sindicato de Professores Angolanos e que deverá estender-se até à próxima sexta-feira. Docentes exigem respostas às várias reivindicações.

Lehrerstreiks in Luanda -Angola (DW/P.B.Ndomba)

Uma sala de aula esta quarta-feira (05.04) nos arredores de Luanda

Vários alunos de muitas escolas do ensino geral, nomeadamente da província de Luanda, não tiveram aulas esta quarta-feira (05.04) devido à greve dos professores.

A DW África fez uma ronda pelas escolas Nzinga Mande, 1 de Maio e Comandante Pedale e constatou que alguns docentes compareceram mas não lecionaram durante todo o dia. Segundo os alunos, foram os próprios professores que anunciaram a paralisação aos formandos.

António Fonseca estuda a 12ª classe no Instituto Médio Politécnico do Nova Vida. O aluno disse que teve apenas aulas de matemática.

"Tivemos apenas uma aula. A maior parte das turmas não teve as aulas por causa da greve".

O segurança de uma das escolas do ensino público, localizada na Urbanização Nova Vida, em Luanda, também garantiu à nossa reportagem que "os professores estiveram nas turmas, mas não chegaram a lecionar. Os únicos docentes que deram aulas são aqueles que fazem parte da direção da escola. Alguns começaram a dar aulas e depois suspenderam", disse.

Sem medo das ameaças da entidade patronal

Lehrerstreiks in Luanda -Angola (DW/P.B.Ndomba)

Alunos sem aulas devido à greve dos professores (05.04)

No Bengo, os docentes aderiram em pleno à greve convocada, segundo confirmou à DW, o secretário provincial, Mbaxi Paulino. O sindicalista diz que não se sente intimidado com as ameaças da entidade patronal.

"Aqui paralisámos a cem por cento. Entre o mal menor e o mal maior, preferimos o mal maior. O mal menor, neste momento, é a penalização. E o mal maior é a condição em que os professores vivem. Vamos continuar firmes na nossa causa e temos a certeza que as faltas que vão ser aplicadas não nos vão prejudicar", destacou Mbaxi Paulino.

O Ministério da Educação de Angola diz que não existem razões para a greve e prometeu penalizar todos os professores que aderiram aos protestos que vão durar três dias.

Ouvir o áudio 02:52

Professores angolanos em greve reclamam melhores condições laborais

Segundo o diretor provincial da Educação em Benguela, Samuel Maleze, "os dias 5,6 e 7 são dias de trabalho. Queremos apelar aos pais para levarem as crianças à escola. O professor que não se apresentar terá falta e se não tiver justificação plausível terá um desconto no salário. Se quiser reclamar, a lei também é clara nisso”, afirmou, terminando com uma provocação para o Sinprof. "Que o sindicato lhes pague os dias que serão descontados”.

Greve decorre até sexta-feira

Esta greve, convocada para Luanda, e posteriormente alargada ao resto do país, deverá estender-se até sexta-feira (07.04) e poderá ainda decorrer de forma interpolada nos meses de maio e junho, caso as autoridades não respondam ao caderno reivindicativo entregue desde 2013 pelo Sinprof sobre o aumento salarial, a atualização de categorias e a redução da carga horária.

Recorde-se que o ano letivo de 2017 em Angola começou oficialmente a 1 de fevereiro e decorre até 15 de dezembro. Cerca de dez milhões de alunos frequentam os vários níveis de ensino geral.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados