1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Processo contra advogado dos “revús” é um “exagero” e “devia ser esquecido”

Julgamento de Walter Tondela, um dos advogados do processo dos 17, foi adiado "sine die" por ausência do réu. Declarantes no tribunal classificaram o caso de “exagero”.

O julgamento do advogado dos "revús" Walter Tondela foi adiado por ausência do réu e enquanto se esperava pelo início da sessão, Mbanza Hanza, um dos declarantes, foi detido durante mais de 30 minutos.

O ativista foi posto numa cela após uma troca inesperada de palavras com a juíza da causa. Mbanza Hanza admitiu a atitude de "abuso de autoridade", mas explicou que queria apenas saber onde ficar enquanto esperava pelo início da audiência.

"A juíza veio ter comigo e tentou dar-me um sermão, mas eu disse que não queria falar mais com aquela senhora... Esse foi o meu crime", diz.

Angola Medien Prozess Aktivisten in Luanda - Anwalt Walter Tondela (DW/P.B. Ndomba)

Walter Tondela

O ativista foi posto em liberdade 30 minutos depois, mas ficou na cela mais de uma hora, embora com a porta aberta por falta de ordem de soltura.

A propósito do incidente, a juíza atribuiu culpas ao agente da polícia em serviço que não teria cumprido o seu papel de prestar as devidas informações ao declarante.

A sessão previa julgar Walter Tondela, um dos advogados de defesa dos 17 ativistas angolanos condenados pelo Tribunal Provincial de Luanda pelos crimes de rebelião, tentativa de golpe de Estado e associação de malfeitores. O advogado é acusado de injúria contra o juiz Januário Domingos. No entanto, o julgamento não arrancou por ausência do réu e do seu representante.

"Um exagero", afirma Luaty

Falando à DW África, Luaty Beirão, um dos declarantes, classificou o processo de "um exagero".

Luaty (DW/J. Carlos)

Luaty Beirão

"Sinceramente não me lembro de ter ouvido nada de escandaloso, não mais escandaloso do que as palavras que ele proferia, ele o queixoso contra o advogado. Mas ele é livre de o fazer se se sentiu ofendido. Como declarante, e das recordações que tenho, acho sinceramente um exagero", comentou Luaty Beirão.

Zola Bambi, outra testemunha no caso, é da opinião de que o caso "deveria ser esquecido" por ter ocorrido num momento que designou como "ventos da amnistia" no polémico caso dos 17 ativistas.

Zola é advogado de profissão e também fez parte da equipa de defesa. O jurista lembra que há sempre troca de critérios entre advogados, procuradores e juízes em sessões judiciais e não resultam em processo.

"Achamos que este processo não tem consistência, não tem fundamento e não devia ser levado a cabo", disse Bambi.

Ouvir o áudio 02:48

Processo contra advogado dos “revús”, é um “exagero” e “devia ser esquecido”

Nova acusação

Enquanto os declarantes deixavam as instalações, Luaty Beirão e Mbanza Hanza foram surpreendidos pelos funcionários da 12ª Sessão dos Crimes Comuns do Tribunal Provincial de Luanda. "Aproveitaram e apresentaram-nos mais uma acusação", diz Hanza.

Para além dos dois, também constam desta acusação três outros "revús", entre eles o investigador e professor universitário Nuno Álvaro Dala.

Os cinco ativistas são acusados do crime de danos, por terem escrito frases de intervenção na farda dos serviços prisionais e podem voltar a ser julgados nos próximos meses.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados