Primeiro-ministro da Etiópia apresenta demissão após violentos protestos | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 15.02.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Primeiro-ministro da Etiópia apresenta demissão após violentos protestos

Primeiro-ministro etíope, Hailemariam Desalegn, apresentou no Parlamento uma "carta de resignação".

Äthiopischer Premierminister Hailemariam Desalegn beim Interview mit Reuters in Addis Ababa (Reuters/T. Negeri)

Hailemariam Desalegn

O primeiro-ministro etíope, Hailemariam Desalegn, apresentou na manhã desta quinta-feira (15.02) no Parlamento uma "carta de resignação", um dia depois da maior manifestação de protesto em 25 anos contra o Governo.

"O primeiro-ministro disse ter tentado um último esforço para resolver a crise no país e agora apresentou uma carta de resignação como parte da solução", noticiou a rádio estatal Fana, numa altura em que várias querelas políticas surgiram no seio da coligação no poder e a ocorrência de manifestações anti-governamentais.

A demissão de Desalegn terá que ser ainda aprovada pelo Conselho da Frente Democrática Revolucionária dos Povos Etíopes (EPRDF, na sigla inglesa).

Wahlkampf Äthiopien 2010 (DW)

Foto de arquivo: Campanha eleitoral do partido EPRDF (2010)

Segundo a Fana, Desalegn, de 53 anos, irá continuar em funções até à conclusão do processo de transição, ao mesmo tempo que deixará também funções de deputado da Frente Revolucionária e Democrática Popular Etíope.

Recorde-se que a Etiópia tem sido assolada nos últimos meses por protestos e manifestações a exigir maiores liberdades, iniciativas reprimidas pelas forças de segurança e que causaram a morte a dezenas de etíopes e a detenção de milhares de outros.

Nas últimas semanas, o Governo da Etiópia, país que tem uma das economias que mais rapidamente crescem em África, decidiu libertar centenas de prisioneiros, entre dirigentes da oposição, jornalistas e destacados académicos e intelectuais.

Äthiopien Kaliti Gefängnis (DW/Y. Gebregziabher)

Libertação de um prisioneiro (14.02)

Manifestações começaram em 2015

A contestação e a luta por maiores liberdades na Etiópia começaram em 2015 e, inicialmente, envolveram apenas as populações das províncias de Oromia e de Amhara antes de se espalharem ao resto do país, obrigando à imposição do Estado de Emergência.

O Governo etíope é acusado há muito por várias organizações internacionais de prender jornalistas críticos ao regime e de dirigentes da oposição "apenas por serem desfavoráveis" ao executivo.

Desalegn, que foi secretário-geral da União Africana em 2013, está no poder desde 2012, após a morte do antigo Presidente e ditador Meles Zenawi, de quem foi ministro dos Negócios Estrangeiros e depois vice-primeiro-ministro, antes de assumir a chefia do executivo.

            

 

Leia mais