1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Previsões económicas de Moçambique são "irrealistas", diz agência

Analistas financeiros da revista britânica "The Economist" consideram projeções para evolução das receitas do Governo moçambicano demasiado otimistas e preveem crescimento económico lento, com alta inflação.

A Economist Intelligence Unit, agência britânica independente de análise e consultoria, alertou este sábado (12.11) que as projeções do Governo de Moçambique para o crescimento económico do país são demasiado otimistas, num contexto de fracas receitas e empresas públicas falidas. 

Devido às pressões orçamentais que afetam o país, os economistas consideram "irrealistas" as previsões do Governo para receitas futuras. A administração de Filipe Nyusi estima receitas de 5,8 mil milhões de euros para 2023, o que representa 60% do PIB atual. 

De acordo com o relatório financeiro, a pressão para aumentar os gastos e o acesso limitado aos mercados estão a acentuar os impasses económicos.

Maputo Bauboom (DW/J.Beck)

Banco Central de Moçambique.

Os analistas acreditam que a crise deverá gerar uma "política orçamental incoerente e marcada pelo aumento dos atrasos nos pagamentos a fornecedores e credores" e alertam que não há solução rápida para o problema. Além disso, o fim da "era de muitos créditos" deve elevar a instabilidade política.

A desvalorização do metical poderia ser benéfica, acreditam, mas "as receitas e os lucros, equivalentes a um terço das receitas do Governo, devem ser abaladas pelo fraco crescimento", acrescentam. Com isso, a perspectiva é de inflação galopante, taxas de juros elevadas, insegurança  e preocupações sobre a qualidade do crédito soberano.

Crise

A crise económica em Moçambique agravou-se no início de 2016, após a revelação de dívidas ocultas no valor de 1,29 mil milhões de euros. Financiamentos de parceiros internacionais foram suspensos e a confiança em indicadores macroeconómicos do país foi abalada.

Em abril, o Fundo Monetário Internacional (FMI) também suspendeu créditos e exigiu uma auditoria internacional independente sobre as dívidas não veiculadas para retomar o apoio ao país africano.  

Leia mais