1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Prevenção é palavra de ordem para travar cólera em Moçambique

Em três semanas, a cólera já matou 31 pessoas e infetou 2.903, metade das quais na província de Tete. Governo moçambicano, ONU e Médicos Sem Fronteiras (MSF) apelam ao reforço das medidas preventivas para travar o surto.

default

Surto de cólera seguiu-se à catástrofe das cheias no centro e norte de Moçambique, que mataram 159 pessoas

Na quinta-feira (19.02), o Presidente Filipe Nyusi convocou o Grupo de Emergência contra a Cólera para uma reunião em Maputo. "Não queremos estar atrasados, tendo em conta que a evolução histórica desta doença indicava que a qualquer momento estaria evitada em Moçambique", declarou o chefe de Estado no final do encontro.

O surto de cólera "parece estacionário" em Niassa e em Nampula, mas na província de Tete "os casos aumentam rapidamente", lê-se num comunicado divulgado quinta-feira pelo Ministério da Saúde, UNICEF, Organização Mundial de Saúde (OMS) e MSF.

Noutras províncias a prevenção é a palavra de ordem. Segundo Marco Artur, diretor do hospital distrital de Caia, na província de Sofala, foram constatados casos de diarreias agudas, mas não há ainda confirmação de um surto de cólera na região.

"Recolhemos amostras aqui no distrito de Caia, que enviamos para o laboratório provincial, e os resultados foram negativos. Por isso, ainda continuamos a tratar os casos como diarreias agudas", disse o médico em entrevista à DW África.

Alerta máximo nacional

Contudo, como algumas províncias já declaram um surto da epidemia, todo o cuidado é pouco. E depois de o Ministério da Saúde ter anunciado na terça-feira (17.02) alerta máximo para Moçambique devido à cólera, Marco Artur considerou a situação "preocupante e complexa".

Ouvir o áudio 05:16

Prevenção é palavra de ordem para travar cólera em Moçambique

"A cada dia que passa, algumas províncias vão anunciando o surto. A província de Tete também já teve casos de cólera. E como estamos muito perto de Tete estamos em alerta máximo", explica.

Por isso, as autoridades estão a trabalhar com as comunidades nas medidas preventivas de higiene. "Porque se as comunidades não acatam a nossa informação, só o tratamento clínico não nos irá a ajudar a combater o surto", sublinha.

O diretor do hospital distrital de Caia aponta o fraco saneamento e a falta de higiene individual e coletiva como algumas das causas que contribuíram para a eclosão deste surto, que afeta sobretudo crianças no norte e do centro de Moçambique. Estas regiões foram atingidas pelas cheias que mataram, desde 12 de janeiro, 159 pessoas e afetaram 185 mil.

"A maioria da nossa população não possui latrinas. A própria água que as pessoas bebem está bem próxima dos sítios onde acabam por fazer as suas necessidades, onde lavam a roupa. Por isso, a propagação é maior", lembra Marco Artur. "Por mais que tratemos os pacientes, se estes não deixaram a prática do fecalismo a céu aberto, principalmente nas margens dos rios e das lagoas, nada teremos a fazer."

Aposta na prevenção

No distrito de Marromeu, outra região perto de Tete e da Zambézia, as chuvas continuam a cair, o que preocupa a médica Nilza Ali. "Como a cólera normalmente é uma doença causada pela má higiene ou consumo de água imprópria, isso contribui para causar doenças diarreicas. Em Marromeu está a chover e isso também ajuda à propagação da doença", explica.

Bakterien Erreger der Cholera

A cólera é causada pela bactéria Vibrio cholerae, que se multiplica rapidamente no intestino humano

Embora não haja registo de qualquer caso de cólera, os técnicos de saúde em Marromeu continuam a trabalhar na prevenção, uma vez que são "vizinhos das províncias de Tete e da Zambézia e os casos confirmados foram em Tete e Nampula", lembra Nilza Ali.

Em Chibabava, a situação é de normalidade, mas a prevenção é a palavra de ordem, confirma Benildo Machehane, médico chefe distrital. "Já instalamos kits em todas as unidades sanitárias caso haja um surto de diarreia e também temos uma tenda para receber doentes se houver um surto e for preciso fazer investigação", revelou o médico.

Segundo Benildo Machehane, o distrito de Chibabava enfrenta muitos problemas de saneamento, nomeadamente devido à falta de água potável, o que faz com que a população utilize para tudo a água dos rios que passam pela região.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados