1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Presos mais de 10 participantes no ataque à polícia, no norte de Moçambique

Segundo porta-voz da PRM, bandidos foram capturados devido a ferimentos e denúncias da população. Um deles contou que recebeu dinheiro para participar dos ataques. Rotina começou a voltar ao normal, em Mocímboa da Praia.

Bildergalerie Pemba (DW/G. Sousa)

Cidade de Pemba, capital da província moçambicana de Cabo Delgado (norte)

A Polícia da República de Moçambique (PRM) já deteve mais de 10 membros do grupo armado que na quinta-feira (05.10) atacou três postos de polícia em Mocímboa da Praia, no norte de Moçambique, disse à agência Lusa o porta-voz daquela força de segurança, este sábado (07.10).

"Já há mais de 10 detidos", uns apanhados devido aos ferimentos, outros graças a denúncias da população, explicou Inácio Dina.

Um deles contou à polícia que se encontrou casualmente com o grupo, que o convidou a ir à vila de Mocímboa da Praia a troco de 2500 meticais (cerca de 35 euros) e recebeu uma arma, segundo relato da rádio estatal.

Waffe Kalaschnikow (picture-alliance/dpa/C. Rehder)

Arma AK-47

Depois de ferido, disse que não conseguiu reencontrar o grupo, numa altura em que a vila se tinha transformado, por cerca de 24 horas, em palco de confrontos erráticos entre o grupo e a polícia.

Além dos 10 detidos, a PRM anunciou na sexta-feira (06.10) que já tinha abatido outros 14 elementos do grupo - que se supõe ter sido composto por 30 elementos que se apresentam como moçambicanos, falam português e línguas locais.

"São claramente uma espécie de operacionais a quem foi dito que era preciso atacar e desestabilizar", referiu Inácio Dina à Lusa.

A PRM reforçou com "especialistas", na sexta-feira, a equipa que conduz interrogatórios no norte do país e que vão tentar obter mais informações dos detidos para chegar ao "essencial" da operação, acrescentou.

A polícia já apreendeu um total de quatro metralhadoras AK-47 e cerca de 100 munições, informou ainda Inácio Dina.

O último ataque de membros do grupo foi registado na manhã de sexta-feira, sendo que este sábado a vida tem regressado ao normal em Mocímboa da Praia, concluiu.

Leia mais