Presidente do Sudão do Sul assina acordo de paz | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 26.08.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Presidente do Sudão do Sul assina acordo de paz

Este é, pelo menos, o oitavo acordo de cessar-fogo com os rebeldes no espaço de um ano e meio. O Presidente Salva Kiir disse, esta quarta-feira (26.08), que assinou o novo acordo com algumas reservas.

default

Presidente sul-sudanês, Salva Kiir, assinou acordo de paz esta quarta-feira, 26 de agosto

O Presidente Salva Kiir assinou esta quarta-feira um acordo de paz com os rebeldes sul-sudaneses. Mas Kiir sublinhou que o fez com algumas reservas.

"Ignorar essas reservas não seria no interesse de uma paz justa e duradoura", avisou Kiir, numa cerimónia na capital, Juba, em que estiveram presentes líderes regionais, diplomatas e jornalistas.

O documento já fora rubricado há dez dias pelos rebeldes. Mas, na altura, Kiir pediu mais tempo para o avaliar. Parte do Governo sul-sudanês não via o acordo com bons olhos. Assiná-lo seria uma traição, chegou a dizer o ministro da Informação.

Salva Kiir und Riek Machar unterzeichnen Abkommen

Salva Kiir e Riek Machar após assinatura de acordo em janeiro de 2015

Dezenas de milhares de mortes

As palavras de Kiir, esta quarta-feira, levantam dúvidas sobre se o novo acordo é para durar. Desde janeiro de 2014, falharam, pelo menos, sete acordos de cessar-fogo.

Fala-se em dezenas de milhares de mortos. Dois milhões de pessoas foram obrigadas a fugir devido à guerra civil.

O conflito no Sudão do Sul começou com uma luta de poder, mas transformou-se numa guerra entre etnias. Em julho de 2013, o Presidente Salva Kiir demitiu o vice-presidente, o rival Riek Machar. Cinco meses mais tarde, Kiir acusou-o de tentativa de golpe de Estado.

O braço-de-ferro entre Kiir, de etnia dinka, e Machar, de etnia nuer, inflamou uma velha rivalidade entre os dois grupos. Isso tem sido instrumentalizado, tanto por Kiir como por Machar – as consequências são terríveis: "As pessoas já não estão seguras em lado nenhum", diz Skye Wheeler, da organização Human Rights Watch.

Ouvir o áudio 02:43
Ao vivo agora
02:43 mins.

Presidente do Sudão do Sul assina acordo de paz

"Há quem seja atacado até em igrejas e hospitais. Ambos os lados são responsáveis por uma grande destruição. Incendiaram casas e mercados e permitiram pilhagens."

O que o acordo prevê

O acordo de paz entre o Governo sul-sudanês e os rebeldes determina um cessar-fogo imediato e a criação de um "governo de transição de unidade nacional", no espaço de 90 dias.

Prevê-se ainda a desmilitarização da capital. Os rebeldes deverão passar a ter uma forte representação nos órgãos de poder local, nos estados petrolíferos do Alto Nilo e de Unidade.

O acordo é apoiado pela Autoridade Intergovernamental para o Desenvolvimento (IGAD) e pelas Nações Unidas, União Africana, China e Estados Unidos. Washington ameaçou Juba com sanções internacionais, caso o acordo não fosse assinado esta quarta-feira.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados