1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Presidente de Moçambique dá "luz verde" para assinatura do acordo de paz com RENAMO

Armando Guebuza delegou nos negociadores do Governo a assinatura do acordo para o fim das hostilidades com a RENAMO. Trata-se de um "sinal inequívoco" do compromisso com a paz, destacou o chefe de Estado moçambicano.

José Pacheco, o chefe da delegação do Governo nas negociações com a Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), o principal partido da oposição, já tem mandato para assinar a declaração de cessação das hostilidades no país.

O anúncio foi feito esta sexta-feira (22.08) pelo Presidente Armando Guebuza, ao apresentar a sua última comunicação no Parlamento sobre "A Situação Geral da Nação".

O Governo cedeu à exigência do principal partido da oposição, a RENAMO, para que a declaração de cessação das hostilidades no país seja assinada pelos chefes das duas delegações negociais.

José Pacheco

José Pacheco, chefe da delegação do Governo nas negociações com a RENAMO

Ao anunciar a medida, há muito aguardada nomeadamente pela sociedade civil moçambicana, Armando Guebuza destacou que este é mais "um sinal do compromisso" do Governo com o aprofundamento da paz e da reconciliação nacional.

"É nossa expetativa que este passo possa, sem mais delongas, abrir espaço para a participação plena da RENAMO e do seu presidente no processo político eleitoral em curso e, no geral, em toda a vida económica, politica e social que os moçambicanos constroem no quotidiano", declarou Armando Guebuza.

Num informe apresentado no Parlamento sobre o estado da nação, o último que faz na qualidade de chefe do Estado, o Presidente Guebuza sintetizou aquilo que foi a sua governação nos últimos dez anos.

Moçambique registou crescimento

Os dados estatísticos que levou ao Parlamento indicam que o país registou um crescimento nas várias áreas no âmbito dos esforços para o combate à fome e à pobreza.

Armando Guebuza afirmou que na área da saúde, por exemplo, regista-se uma estabilização dos índices de prevalência do SIDA no país. Moçambique é considerado um dos países com os mais elevados índices da doença no mundo.

Ouvir o áudio 03:23

Presidente de Moçambique dá luz verde para assinatura do acordo de paz com RENAMO

Dados recentes citados pelo Presidente Guebuza indicam que a cobertura das mulheres que recebem profilaxia da prevenção da transmissão vertical passou de 4% em 2004 para mais de 90% em 2013.

O documento fala de avanços na elevação da auto estima dos moçambicanos, consolidação da unidade, paz e reconciliação, formação do capital humano, luta contra a fome e doenças, construção de infraestruturas e consolidação do Estado de direito democrático.

Armando Guebuza indicou igualmente que Moçambique registou uma redução da dependência externa de 48% em 2005, para 27% em 2013.

Oposição critica falta de novidades

MDM Fahne

Bandeira do Movimento Democrático de Moçambique (MDM)

Reagindo ao discurso do chefe de Estado, o deputado James Jinji, da bancada parlamentar do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), considerou que o Presidente "não trouxe nada de novo" e foi apenas uma informação.

"Não houve novidades e os assuntos importantes que esperávamos ouvir de alguém que vai deixar o governo não aconteceu. E sobre a paz não ouvimos o senhor Presidente declarar se ía deixar este país em paz ou não, concluiu".

Por sua vez, o porta-voz da bancada da RENAMO, Arnaldo Chalaua, também não ficou satisfeito com a comunicação do chefe de Estado.

"O chefe de Estado perdeu uma grande oportunidade de falar aos moçambicanos sobre os problemas que preocupam um número considerável de pessoas, desde a assistência médica e medicamentosa à justiça social cada vez mais distante dos moçambicanos, a questão da corrupção, das criancas que nascem com baixo peso, mortalidade materno-infantil, a criminalidade", sublinhou."

Wahlplakat RENAMO - Afonso Dhlakama

Cartaz da RENAMO na última campanha eleitoral (2009)

Já para o porta-voz da bancada da Frente de Libertação de Mocambique (FRELIMO), partido no Governo, Galiza Matos Júnior, a apresentação de Armando Guebuza foi "muito boa". Os números apresentados "revelam a grandeza de todo o trabalho que foi desenvolvido por este Governo", disse.

"Reduziu as assimetrias, construiu estradas, escolas, hospitais e não só", enumerou ainda Galiza Matos, referindo-se a "uma série de realizações que foram espelhadas neste balanço que o Presidente da República apresentou no seu discurso".

Moçambique tem previstas eleições gerais (presidenciais, legislativas e assembleias provinciais) para 15 de outubro.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados