1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Presidente de Angola realça estabilidade política e social no último mandato

José Eduardo dos Santos, no poder desde 1979, fez um balanço dos últimos cinco anos na Presidência e diz que crise económica se transformou numa oportunidade para o país.

Angola Jose Eduardo dos Santos (Getty Images/AFP/A. Pizzoli)

José Eduardo dos Santos, Presidente de Angola desde 1979

O Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, classificou esta quarta-feira (16.08) o seu último mandato presidencial como "política e socialmente" estável, apesar da crise económica.

Segundo o chefe de Estado, a crise foi uma oportunidade para Angola se libertar da dependência excessiva do petróleo e para acelerar "o processo da diversificação da economia através do aumento da produção interna, da redução das importações, do fortalecimento do tecido empresarial nacional, da promoção e criação do emprego e da diversificação das fontes de receitas fiscais e de divisas."

A capacidade de, rapidamente, se encontrar soluções para ultrapassar os problemas mais prementes e de adaptação às contingências dos contextos internos e externos foi um dos traços fundamentais que caraterizaram o mandato do atual Governo, considerou José Eduardo dos Santos.

O Presidente falou aos jornalistas no final de uma reunião do Conselho de Ministros que decorreu no Palácio Presidencial, na capital Luanda - a última antes das eleições gerais de 23 de agosto.

Angola Bucht von Luanda mit Skyline (DW/V. T.)

Luanda, capital angolana

José Eduardo dos Santos, Presidente de Angola desde 1979 e líder do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), não se recandidata a um novo mandato.

As próximas eleições são a prova de que "as sementes lançadas à terra estão a germinar e de que o povo angolano vai, de certeza, colher bons frutos, a médio prazo", afirmou dos Santos. "Agradeço penhoradamente a todos os que tornaram possível esta grandiosa obra de edificação de um país que pretendemos que seja moderno, próspero e forte", acrescentou.

Reações

Mas para o ativista Guilherme Chimbanda, em Luanda, o balanço da Presidência de José Eduardo dos Santos é diferente. "A pobreza cresceu num tom significativo, os ricos em Angola são pouquíssimos, mesmo aqueles que fazem algum negócio, para sobressaírem, têm de usar a bandeira do partido", diz Chimbanda.

O jurista Bernardo Peso, do Lubango, também faz um balanço negativo e dá, como exemplo, os muitos despedimentos em vários setores da administração pública, desde os hospitais à educação. Destaca ainda os problemas de saúde no país. "A malária matou massivamente e o Governo não teve capacidade para pontualmente responder à situação da febre-amarela", conclui o jurista.

Leia mais