Presidente de Angola menos preocupado com a sua segurança do que o seu antecessor | Angola | DW | 07.01.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Presidente de Angola menos preocupado com a sua segurança do que o seu antecessor

Quando o Chefe de Estado de Angola sai às ruas, a guarda presidencial prima pela discrição. João Lourenço foi fotografado a passear com a esposa na Ilha do Mussulo sem grande aparato de segurança.

O alegado excesso de zelo de José Eduardo dos Santos, antigo Presidente de Angola, foi registado em pelo menos dois casos mediáticos. O primeiro em 26 de novembro de 2003, quando um efetivo da Unidade da Guarda Presidencial (UGP) alvejou mortalmente o jovem Arsénio Sebastião "Cherokee", de 27 anos, por cantar a música do rapper angolano MCK intitulada, "As téknicas, as kausas e as konsekuências".

Von der Leyen empfängt angolanischen Amtskollegen João Manuel Gonçalves Lourenço

João Lourenço, enquanto ministro da Defesa, recebido pela homóloga Ursula von der Leyen numa visita à Alemanha em novembro de 2014

O segundo caso ocorreu dez anos depois, a 23 de novembro de 2013, quando um agente da Unidade de Segurança Presidencial assassinou com três tiros nas costas o engenheiro Helbert Ganga, militante da Convergência Ampla de Salvação de Angola - Coligação Eleitoral (CASA-CE) por afixar panfletos nas imediações da cidade alta.

Na altura, Serafim Simeão, que era secretário executivo da Juventude Patriótica de Angola (JPA), braço juvenil da coligação, explicou que a colagem estava a ser feita fora do perímetro presidencial. Agora, o atual responsável da CASA-CE na província angolana da Huíla realça que quer a UGP quer a Unidade de Segurança Presidencial (USP) agiram sempre de forma excessiva quando se relacionavam com a população. "Achamos que houve injustiça e excesso de zelo porque o Ganga foi morto com três tiros nas costas. Era um jovem patriota que estava desarmado. Ele foi morto com papéis, pincéis e colas e a apelar ao fim dos assassinatos políticos”.

Ouvir o áudio 03:33
Ao vivo agora
03:33 min

Presidente de Angola menos preocupado com a sua segurança do que o seu antecessor

Segurança máxima

Nas suas deslocações, o antigo Presidente da República fazia-se sempre acompanhar de um forte aparato de segurança. "A segurança presidencial era muito notável porque era constituída maioritariamente por elementos fardados da UGP e elementos que, às vezes, funcionavam à paisana que é a Unidade de Segurança Presidencial", comenta o jornalista André Kivuandinga.

Já o jovem político Serafim Simeão socorre-se de um provérbio popular para justificar o excesso de escolta do antigo Chefe de Estado. "Quando você não deve, não teme. José Eduardo dos Santos, enquanto Presidente da República, temia. Eis a razão de ter um aparato grande de efetivos", diz.

Porém, com João Lourenço, nota-se uma redução clara das forças de segurança presidencial nas ruas da capital angolana. A DW África constatou isso mesmo quando João Lourenço visitou o Hospital Sanatório de Luanda e inaugurou o viaduto do Kamama. O jornalista André Kivuandinga reconhece que há menos oficiais armados, mas também diz que há muitos agentes à paisana. "Notamos que há um número reduzido de elementos da segurança. Mas atenção, onde vai João Lourenço há muitos elementos civis que podem ser confundidos com a população ou com cidadãos normais, mas não são. São elementos da segurança que estão a funcionar à paisana", assevera.

Angola Luanda Joao Lourenco

Presidente de Angola promove esta segunda-feira (08.01) uma conferência de imprensa sobre o estado da governação pela primeira vez na história de Angola

Governação simples

A governação do terceiro Presidente da República do país tem sido marcada pela simplicidade, afirma o jornalista. O profissional aponta como exemplo a fotografia que se tornou viral na rede social Facebook.

Na imagem, vê-se o casal presidencial descontraído na Ilha do Mussulo onde celebrou a passagem de ano. Outro exemplo é o facto de o Presidente promover uma conferência de imprensa, esta segunda-feira (08.01), para falar sobre os primeiros 100 dias de governação, algo que nunca aconteceu em 38 anos. 

"Realizar a passagem de ano na Ilha do Mussulo e cumprimentar as pessoas, apesar de muitas dessas pessoas fazerem parte da segurança, mas a população tirou fotografias e imagens, já mostra uma governação simples e mais próxima do cidadão. Uma coisa que não tivemos nos 38 anos passados”.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados