Presidente da República da Maurícia pede demissão | NOTÍCIAS | DW | 17.03.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Presidente da República da Maurícia pede demissão

Envolvida em escândalo financeiro, Ameenah Gurib-Fakim cede à pressão e anuncia saída do cargo que ocupa desde 2015. Única mulher presidente em África é acusada de fazer compras pessoais com dinheiro de ONG.

A presidente da República da Maurícia, Ameenah Gurib-Fakim, demitiu-se do cargo este sábado (17.03) em meio à forte presssão por envolvimento num escândalo financeiro. Segundo o Executivo, pedido de demissão foi apresentado "no interesse nacional".

Segundo denúncias, a Presidente teria feito compras pessoais com um cartão bancário fornecido pela organização não-governamental Planet Earth Institute (PEI), financiada pelo milionário angolano Álvaro Sobrinho, que está a ser investigado por suspeitas de irregularidades em Portugal e  que, desde 2015, tem tentado investir na Maurícia.

A demissão de Gurib-Fakim põe fim ao escândalo político no arquipélago no Oceano Índico desde que o jornal local Express publicou documentos bancários mostrando que a presidente tinha utilizado um cartão do PEI para comprar joias e sapatos de marca a título pessoal.

Bióloga reconhecida internacionalmente, Gurib-Fakim reconheceu os fatos, afirmando ter utilizado o cartão "inadvertidamente", mas já ter reembolsado o dinheiro usado a título pessoal à ONG. O valor gasto seria de 25.000 euros.

Sob pressão

O anúncio da demissão já tinha sido feito há mais de uma semana pelo primeiro-ministro da Maurícia, Pravind Jugnauth. Entretanto, a chefe de Estado insistiu em permanecer no cargo. Na última quarta-feira, chegou a anunciar que instauraria "uma ação na justiça para se defender das acusações caluniosas" de que é alvo.

Sob pressão, Gurib-Fakim enviou a carta de demissão à presidente da Assembleia Nacional este sábado. Gurib-Fakim, eleita em 2015 e a única mulher na presidência de um país em África, irá deixar o cargo a 23 de março.

Na última segunda-feira, o país africano, aclamado como modelo de democracia por várias ONGs internacionais, celebrou os 50 anos da sua independência. Apesar do escândalo, as Ilhas Maurícias ocupam há cinco anos o primeiro lugar no índice Mo Ibrahim de boa governação em África. A organização não governamental Freedom House dá boa nota ao país no que diz respeito à política e aos direitos civis.

Leia mais