1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Presidente da Guiné-Bissau exonera general António Indjai

Por decreto presidencial, o Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, exonerou segunda-feira (15.09) o general António Indjai, mas ainda não nomeou o novo Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas do país.

default

General António Indjai

O Presidente José Mário Vaz justificou a destituição de António Indjai do cargo de Chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas como um dos passos importantes para levar avante o processo de reforma e modernização das Forças Armadas guineenses em curso no país.

José Mário Vaz esteve esta terça-feira (16.09) reunido com o corpo diplomático acreditado em Bissau para o informar da sua decisão de exonerar das funções o general, nomeado em 2010 pelo então Presidente da República, Malam Bacai Sanhá.

Miguel Trovoada Ex-Präsident von São Tomé e Príncipe

Miguel Trovoada (dir.) representante especial da ONU na Guiné-Bissau

À saída da reunião, Miguel Trovoada, representante da ONU no país, disse que foi uma decisão soberana que terá todo apoio das Nações Unidas para a sua eficácia.

"Tomamos boa nota desta decisão soberana e as Nações Unidas e a comunidade internacional estão empenhadas em apoiar as decisões das autoridades legítimas deste país porque é necessário que de facto este apoio seja de maneira mais eficaz possível", declarou.

O fim de um ciclo

José Mário Vaz ainda não nomeou o novo Chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas guineenses. Entretanto, António Indjai já abandonou as instalações do Estado-Maior para a sua residência privada em Bissau. Segundo uma fonte próxima de Indjai, o general alega que foi apanhado de surpresa pela medida e que não foi consultado.

Jose Mario Vaz

José Mário Vaz, Presidente da Guiné-Bissau

Entretanto, o representante da União Africana (UA) na Guiné-Bissau Ovídio Pequeno, considerou a exoneração de António Indjai como o fecho de um ciclo, o fim de uma fase iniciada com o golpe militar de 2012, que disse ter sido um "período conturbado" no país.

Ovídio Pequeno afirmou, por outro lado, que espera o início para a Guiné-Bissau de "um novo capítulo de mudança" que possa permitir ao país ganhar a estabilidade política e social.

"Exoneração de Indjai é um ato normal"

A exoneração de Indjai, que foi anunciada através de um decreto presidencial sem adiantar as razões, foi um ato que o representante da UA considera normal, por ser "um ato de soberania nacional" que cabe ao Presidente guineense.

Ovidio Pequeno

Ovidio Pequeno, representante da UA na Guiné-Bissau

"Esperamos que não haja nenhum aproveitamento desta matéria no sentido de se criarem alguns pontos de instabilidade ou situações um pouco mais difíceis. Nós achamos que é um processo normal, tudo na vida tem um espaço e um tempo", observou o diplomata.

Para o representante da UA é fundamental que o processo de reforma do setor militar guineense avance, porque “sabemos e temos a consciência de que o processo de reforma a nível das forças de defesa e segurança é uma questão extremamente importante. Deve ser a prioridade das prioridades", destacou Ovídio Pequeno.

UE aplaude decisão "soberana do Presidente"

Por seu lado, a União Europeia (UE) aplaudiu a decisão do Presidente guineense, tendo declarado desde já o seu apoio à modernização das Forças Armadas, disse o chefe da delegação dos 27 em Bissau, Joaquim Gonçales Ducay.

Ouvir o áudio 03:12

Presidente da Guiné-Bissau exonera general António Indjai

"A UE manifestou muito claramente ao senhor Presidente a nossa vontade de apoiar o processo de reforma e modernização das Forças Armadas e das forças de segurança da Guiné-Bissau para que se possa tirar o maior partido possível do capital humano que existe no seio dessas forças".

Gonçalves Ducay sublinhou ainda que a UE está à espera de conhecer as decisões do governo sobre que política de reforma e modernização. "Iremos discutir com o executivo e os outros parceiros internacionais para sabermos como iremos apoiar o processo", concluiu.

Da reunião na tarde desta terça-feira do Conselho Superior da Defesa Nacional saiu a proposta de um encontro de urgência marcada para a noite do mesmo dia com o Conselho de Ministros, onde serão analisadas as propostas de nomes para ocupar as funções do novo Chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados