1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Presidente angolano Eduardo dos Santos há 37 anos no poder

Deputado do MPLA considera dos Santos um "líder raro" em África, enquanto o vice-presidente da UNITA diz que o estadista precisa de descansar.

José Eduardo dos Santos tomou posse como chefe de Estado a 21 de setembro de 1979. O estadista angolano substituiu no cargo António Agostinho Neto, primeiro Presidente de Angola, que faleceu por doença a 10 de setembro num hospital de Moscovo, a capital da então União Soviética.

João Pinto, deputado do partido no poder, o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), elogia o papel de Eduardo dos Santos nos últimos 37 anos.

De 1975 a 2002, Angola foi assolada por uma guerra civil, que terminou com a morte em combate de Jonas Savimbi, o líder fundador da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA). E, segundo o parlamentar, "o Presidente Eduardo dos Santos manteve a defesa da Nação, a defesa da causa da igualdade, o combate à pobreza, […] manteve uma política de integração e proteção e fez uma reforma das Forças Armadas."

Correio do Sul Titelblatt Zeitung Angola Presse

Capa de uma das edições do Correio do Sul

"Presidente deveria descansar"

Mas 37 anos no poder é muito, e o Presidente da República deveria descansar, convida Raúl Danda, o vice-presidente da UNITA.

"Ficar 37 anos no poder não pode dignificar ninguém", diz Danda em entrevista à DW África. "É sinónimo de que estamos numa situação grave. Isso não pode ser democracia, é apenas uma ditadura nua e crua."

Em março deste ano, Eduardo dos Santos anunciou que se iria retirar da vida política ativa após as eleições de 2017.

"Em 2012, em eleições gerais, fui eleito Presidente da República e empossado para cumprir um mandato que, nos termos da Constituição da República, termina em 2017. Assim, eu tomei a decisão de deixar a vida política ativa em 2018", afirmou na altura.

Até agora, a sua sucessão continua a ser uma incógnita; tudo indica que o chefe de Estado angolano será o cabeça de lista do MPLA no próximo escrutínio, marcado para agosto do próximo ano.

Mas, na perspetiva de Agostinho Sicato, do Centro de Debates e Estudos Académicos (CDEA), em Luanda, o partido no poder cometeria um erro: "O MPLA pode correr o risco de não ganhar as eleições. Nenhum cidadão sério votará num Presidente que ficará um ano e vai sair."

Angola pós-Eduardo dos Santos

Angola Karikatur von Nelson Paim

Caricatura de José Eduardo dos Santos, que completa 37 anos no poder esta quarta-feira, 21 de setembro

Caso abandone a vida política ativa em 2018, que país deixará Eduardo dos Santos?

Para João Pinto, do MPLA, Angola tornou-se um ator de peso a nível internacional com a ajuda do chefe de Estado angolano. Eduardo dos Santos lidera atualmente a Conferência Internacional da Região dos Grandes Lagos e tem servido como mediador nos conflitos na República Centro-Africana e na República Democrática do Congo, por exemplo.

Ao olhar para o percurso do estadista, Pinto destaca que Eduardo dos Santos é um "líder raro" no plano internacional.

"Poucos líderes tiveram estes percursos", afirma o deputado. "Normalmente, os líderes em África nasceram de um golpe de Estado ou mantiveram-se no poder sem fazer grandes reformas e tiveram derivas autoritárias, ao contrário do Presidente Eduardo dos Santos."

O opositor Raúl Danda considera, no entanto, que, quando Eduardo dos Santos sair do poder, Angola será um país "onde as pessoas nunca deixaram de sofrer".

Estima-se que metade da população angolana vive com menos de dois dólares por dia. Segundo dados do Censo de 2014, apenas 57% dos angolanos a residir em zonas urbanas tem acesso a água portável. Nas zonas rurais, são só 22%.

Longevidade e protestos

José Eduardo dos Santos é um dos líderes africanos há mais tempo no poder. Só Teodoro Obiang Nguema, da Guiné Equatorial, chegou mais cedo à Presidência. Segue-se Robert Mugabe, no poder há 36 anos no Zimbabué.

Nos últimos meses, Harare tem sido palco de protestos contra o chefe de Estado e a crise económica, que se agravou este ano. Mugabe prometeu que todas as manifestações anti-governamentais seriam reprimidas.

Na República Democrática do Congo, também tem havido protestos contra um possível alargamento do mandato do Presidente Joseph Kabila, no poder desde 2001.

A longevidade motiva revoltas, avisa o politólogo Agostinho Sicato.

Ouvir o áudio 03:52

Presidente angolano Eduardo dos Santos há 37 anos no poder

"Os cidadãos podem tolerar até uma determinada altura, mas chega a uma altura em que, como na República Democrática do Congo, o Presidente quer fazer arranjos constitucionais para mais um mandato" - e milhares de congoleses foram para as ruas.

Mas as manifestações também têm sido reprimidas pelas forças de segurança. A oposição denunciou a morte de mais de 50 pessoas em protestos.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados