1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Presidente alemão procura soluções africanas na Gâmbia

Enquanto decorrem conversações difíceis para formar um novo Governo, na Alemanha, o Presidente alemão Frank-Walter Steinmeier fez a primeira visita oficial a África. Última paragem: a Gâmbia.

Depois do Gana, a visita do chefe de Estado alemão ao continente africano terminou na Gâmbia. Mas por muito que o Presidente Frank-Walter Steinemeier tenha enfatizado a democracia e o desenvolvimento económico durante a viagem de quatro dias, a questão da migração esteve sempre presente.

O próprio chefe de Estado da Gâmbia requereu asilo: quando tinha 22 anos, em 1988, Adama Barrow partiu para a Alemanha em busca de uma vida melhor e viu o seu pedido de asilo recusado.

O regresso à Gâmbia pareceu, na altura, o fim do mundo, contou o Presidente esta quinta-feira (14.12) num centro de formação na capital, Banjul.

Mas aos jovens que ouviram o discurso, Barrow assinalou que é importante não desistir. "Vi a Gâmbia como a minha Alemanha, a minha América, a minha Europa. Se tiverem essa determinação, podem ter sucesso no vosso país. O céu é o limite", afirmou.

Afrika Bundespräsident Steinmeier in Gambia

Presidente gambiano, Adama Barrow, com o homólogo alemão Frank-Walter Steinmeier

"Contra a migração ilegal"

Para Mustafa Sallah, um jovem de 26 anos que também tentou atravessar o Mediterrâneo rumo à Alemanha, o Presidente é um símbolo vivo de um regresso bem-sucedido.

Sallah foi detido em Trípoli, na Líbia e, hoje, não teria deixado a Gâmbia: "Nós somos as melhores ferramentas, porque fomos lá e passámos pela experiência. Se falarmos, os outros vão ouvir-nos. Se alguém me tivesse contado tudo sobre a viagem, não teria arriscado a vida."

Juntamente com outros repatriados, Sallah fundou a associação "Juventude contra a Migração Ilegal". Tal como 70% dos jovens do país, não tem um salário oficial. Por isso, muitos continuam a tentar a sorte lá fora. Só este ano, mais de 8.000 gambianos - numa população de dois milhões - deixaram a Gâmbia rumo à Europa.

Ouvir o áudio 02:51

Presidente alemão procura soluções africanas na Gâmbia

O pequeno país africano espera pelas iniciativas do novo Governo, eleito no início do ano, nomeadamente o "Plano Nacional de Desenvolvimento", que deverá ter o apoio da União Europeia numa conferência de doadores marcada para janeiro.

Em Banjul, o Presidente alemão frisou que as soluções devem partir de África e não da Europa.

"Não acreditamos, como europeus, que possuímos todas as respostas aos desafios africanos. Penso que só as soluções africanas podem fazer avançar o continente", sublinhou Steinmeier, aproveitando também para elogiar a transição democrática no país que, durante 22 anos, foi governado com mão-de-ferro por Yahya Jammeh.

Nas ruas da capital gambiana, a visita de Steinmeier, o primeiro Presidente alemão a visitar a Gâmbia, é considerada "histórica". Os gambianos têm muitas expetativas quanto à relação entre os dois países.

"Estou muito impressionado na visita da Alemanha. É um passo certo na direção certa. Precisamos de ajuda em várias áreas", afirmou um residente, Sani Muchawa. "Precisamos que invistam no nosso país para termos mais empregos", notou o taxista Modu Jalloh.

As expetativas são altas também na delegação alemã que viajou com o Presidente, ao todo 18 empresários. Os investidores vêem oportunidades na Gâmbia, especialmente no setor da energia. No final da visita, grupos de trabalho já debatem possíveis cooperações, com o envolvimento dos dois governos.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados