Prémio Mo Ibrahim de novo sem vencedor | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 14.10.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Prémio Mo Ibrahim de novo sem vencedor

Fundação Mo Ibrahim apresenta novo relatório e afirma que 46 dos 52 países africanos melhoraram. Porém, este ano, de novo, não foi atribuído prémio a nenhum ex-presidente.

default

Mo Ibrahim durante a apresentação do índice de governação africana

Pelo segundo ano consecutivo, a Fundação Mo Ibrahim não atribuiu o prémio que distingue a boa governação em África, por considerar que nenhum ex-Presidente teve um "bom desempenho", após analisar os candidatos elegíveis.

O anúncio foi feito no mesmo dia em que a Fundação divulgou o Índice de Governação Africana 2013, que, no plano geral, mostra que os níveis de governação em África continuam a melhorar, nomeadamente nas categorias de Desenvolvimento Humano, Oportunidade Económica Sustentável e, num grau menor, Participação e Direitos Humanos.

Dos lusófonos, zero à Guiné-Bissau

Cabo Verde desceu para o terceiro lugar no índice Ibrahim de Governação Africana de 2013, que avalia fatores como a educação, saúde, segurança, direitos humanos, desenvolvimento e economia de 52 países. Ainda assim, o arquipélago continua a ser o país lusófono melhor colocado na tabela, com 76,7 pontos, num total de 100.

Dos outros países de língua portuguesa, na lista da Fundação Mo Ibrahim, seguem-se São Tomé e Príncipe, no 11º lugar; Moçambique, em 20º; e Angola, em 39º; entre os 52 Estados africanos analisados.

O pior classificado dos países africanos de língua portuguesa continua a ser a Guiné-Bissau, que desceu uma posição, para o 46º lugar e está entre os 10 piores classificados.

Joaquim Chissano Ex-Präsident von Mosambik

Joaquim Chissano, ex-Presidente de Moçambique

Ninguém à altura

A Fundação Mo Ibrahim, homónima do milionário sudanês que a criou em 2006, apoia a boa governação e a liderança em África e elabora anualmente o índice Ibrahim, que visa informar e ajudar os cidadãos, sociedade civil, parlamentos e governos a medir o progresso.

Este ano, a instituição decidiu não entregar o prémio de excelência na Liderança Africana a nenhum dos ex-líderes reformados nos últimos três anos que analisou.

O presidente do comitê do prémio, Salim Ahmed Salim, parabenizou aos antigos laureados Joaquim Chissano, de Moçambique (2007), Festus Mogae, do Botswana (2008) e Pedro Pires, de Cabo Verde (2011), que estabeleceram níveis elevados de excelência na liderança africana e que são exemplos para os futuros líderes.

Além disso, Salim frisou que a maior parte dos africanos vive nos países que apresentaram melhorias no índice da boa governação em relação a 2010: "46 dos 52 países melhoraram. E 95% da população vive neles", disse o presidente do comitê do prémio, ressaltando que o continente africano está a evoluir, ainda que existam áreas preocupantes que mereçam a atenção, enfatizou.

Como acontece a seleção

Eleições livres e justas, acesso a computadores e internet, tratamentos para os infectados com o vírus HIV são apenas três dos 94 fatores analisados pela Fundação Mo Ibrahim para avaliar quão boa é a governação de um país.

Esses fatores podem ser distribuídos por quatro áreas: lei e segurança, direitos humanos, oportunidades económicas e desenvolvimento humano, que inclui educação e saúde. Neste último setor, todos os países da lista melhoraram em relação ao ano 2000. Um bom sinal na opinião de Mary Robinson, antiga presidente irlandesa e integrante do comitê do prémio Mo Ibrahim.

Ela acredita que objetivos de desenvolvimento do milénio estão a refletir-se, mas também mostram o fato de esses objetivos não focarem as questões da lei, participação e direitos. Na opinião dela, é preciso focar mais nisso: "É muito bom o fato de a educação e saúde estarem a melhorar, mas os pontos que não estão melhorando são aqueles que trazem coesão social e paz", afirma Robinson.

Pedro Pires

Pedro Pires, ex-Presidente de Cabo Verde

1º lugar para as Ilhas Maurícias

Outra tendência que tira o sono dos membros da Fundação é a distância entre os primeiros e últimos lugares da tabela, que tem estado a aumentar desde o ano 2000.

A lista do índice de boa governação 2013 é encabeçada pelas ilhas Maurícias, com 82,9 pontos em 100. No fim da tabela está novamente a Somália, tal como no ano passado, com apenas oito pontos.

A Fundação destaca o desempenho da Libéria, Serra Leoa, Ruanda, Burundi e Angola porque são os mais desenvolvidos nos últimos 12 anos, no que diz respeito à boa governação.

A Guiné-Bissau surge na tendência oposta, ao lado de Madagáscar e da Eritréia no grupo dos países que pioraram significativamente.

Ouvir o áudio 04:11

Prémio Mo Ibrahim de novo sem vencedor

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados