1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Prémio África para defensora do povo da África do Sul

Thulisile Madonsela venceu este ano o "Prémio África" atribuído por uma fundação alemã. Foi ela quem exigiu a devolução de parte do dinheiro público usado na remodelação da casa de campo do Presidente Jacob Zuma.

Há quem diga que Thulisile Madonsela é uma mulher de aço. Outros dizem que é a "voz dos que não têm voz". Mas o trabalho da protetora do povo sul-africana é mesmo esse: defender os cidadãos de abusos de poder e combater a corrupção no país.

Foi Madonsela quem exigiu que o Presidente da África do Sul, Jacob Zuma,

devolvesse parte dos fundos públicos usados para obras de remodelação na casa de campo privada

, em Nkandla, que incluíam um galinheiro, um estábulo e uma piscina. Foi também ela quem denunciou que o fundo da família do opositor Julius Malema teria beneficiado indevidamente de uma adjudicação dada a amigos.

Desde que foi nomeada por Zuma para o cargo, em 2009, a defensora do povo tem conquistado o respeito de muitos sul-africanos: "Os esforços envidados pelo seu gabinete garantem o respeito da Constituição como lei suprema e asseguram que ninguém está acima da lei", diz Njabulo Ndebele, presidente da Fundação Nelson Mandela.

Südafrika Präsident Jacob Zuma

Presidente sul-africano usou fundos públicos para remodelar casa privada

A seguir passos de Mandela

Madonsela conta que foi o líder da luta antiapartheid, Nelson Mandela, quem a inspirou a lutar por mais justiça: "Ele transformou a injustiça social contra ele numa luta por justiça social para todos. A Constituição nasceu de pessoas que sofreram injustiças sociais e decidiram fazer algo."

A provedora anticorrupção foi considerada em 2014 pela revista norte-americana TIME como uma das 100 pessoas mais influentes do mundo. Conquistou no mesmo ano o título de "Mulher de Coragem", atribuído pela revista Glamour. Ganhou também o prémio Integridade da organização Transparência Internacional.

O mandato de Madonsela como defensora do povo termina no final do ano - e Madonsela já deixa saudades: "Como protetora do povo, ela provou ser uma defensora acérrima dos valores constitucionais", afirma Wolf Krug, representante para a África Austral da Fundação Hanns Seidel, uma organização não-governamental alemã presente em mais de 50 países. "A firmeza de Madonsela mostra que a democracia sul-africana está bem viva."

Ouvir o áudio 02:40

Prémio África para defensora do povo da África do Sul

O trabalho de Madonsela tem, porém, incomodado muita gente e nem todos estão contentes. Membros do Congresso Nacional Africano, no poder, acusaram-na de espiar para os Estados Unidos da América, e a juventude do partido classificou-a de pseudo-política.

A protetora do povo também já foi ameaçada de morte.

Mas nada disso a abala. Muitos na África do Sul não têm dúvidas de que o "Prémio África" atribuído agora a Madonsela é mais um merecido reconhecimento de um trabalho bem feito. O prémio é entregue pela Fundação Alemanha-África a personalidades que promovem a paz, a democracia e os direitos humanos no continente.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados