″Povo moçambicano não vai permitir nova guerra″, diz analista | Moçambique | DW | 22.10.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

"Povo moçambicano não vai permitir nova guerra", diz analista

Comentadores consideram que não existe o risco de uma nova guerra civil no país e que as eleições marcadas para novembro devem ocorrer. Ataque à RENAMO na base de Gorongosa gerou a tensão entre Governo e oposição.

default

Na foto: populares num comício da campanha do Movimento Democrático de Moçambique - MDM durante as últimas eleições gerais de 2009

Para o analista político moçambicano Fernando Veloso, o povo não vai deixar que se instale uma guerra. "Duvido. Quem quiser usar o povo de novo para a guerra não vai encontrá-lo disponível".

O anúncio do fim do armistício de 1992 em Moçambique deve gerar mortes entre civis, apesar de a população não ser o alvo, diz o administrador do grupo de comunicação social independente Mediacoop, Fernando Lima.

Mosambik RENAMO Rebellen 2012

Analistas políticos dizem que potencial militar da RENAMO é limitado

Apesar de várias vozes no país indicarem que o potencial militar da RENAMO é limitado, isso não significa que os rebeldes armados não possam fazer estragos. "Não acho que a população seja o alvo predileto da RENAMO, mas não excluiria a possibilidade de perda de vidas de civis neste clima de tensão”, afirma.

Mesmo diante desse cenário, o comentador político não acredita que exista o risco de uma nova guerra civil. “As armas são preferidas em relação ao diálogo, mas uma solução política e o retorno às negociações não estão excluídos”.

Os dois lados evitam o uso de vocabulário belicista

Fernando Lima

O jornalista Fernando Lima prevê o aumento da violência e a morte de civis em Moçambique

Segundo Fernando Lima, a decisão de pôr termo ao Acordo Geral de Paz de Roma é uma atitude conveniente para a RENAMO. “É uma declaração tática. Penso que é conveniente para criar um distanciamento entre a liderança do partido e possíveis ações armadas contra alvos civis e militares que possam ser atribuídas à RENAMO, mas não a Afonso Dhlakama”.

O jornalista diz que ambas as partes não têm interesse na guerra e que têm sido cautelosas nas suas declarações. "Não há uma evidência do uso de vocabulário belicista e do abandono de soluções para resolver os conflitos. Mesmo em termos militares não é por acaso que praticamente não tem havido mortes nos dois lados”.

Repercussões no investimento

Na opinião de Fernando Veloso, a tensão entre a RENAMO e a FRELIMO vai prejudicar o país em termos económicos: "Todo este ambiente cria instabilidade e descrédito nos investimentos".

Para o especialista, a comunidade internacional tem um papel a desempenhar que poderá ser fulcral na solução da tensão no país, nomeadamente nas negociações com vista à paridade na comissão eleitoral. Esse foi o tema que deu origem ao impasse entre oposição e Governo.

Eleições autárquicas devem ser realizadas no dia 20 de novembro

Ouvir o áudio 04:39
Ao vivo agora
04:39 mins.

"Povo moçambicano não vai permitir nova guerra", diz analista

Tanto Fernando Lima como Fernando Veloso olham para a situação atual como uma escalada passageira da tensão política entre os dois partidos. E ambos acreditam que as eleições autárquicas, marcadas para o dia 20 de novembro deste ano, vão de facto acontecer.

Na segunda-feira, a decisão da RENAMO de pôr termo ao Acordo Geral de Paz de 1992 foi anunciada na sequência do ataque das forças governamentais à base do maior partido da oposição nas montanhas da Gorongosa, na província de Sofala, em Moçambique.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados