1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Portugal despediu-se do antigo Presidente da República Mário Soares

As cerimónias fúnebres do ex-Presidente português, Mário Soares, decorreram esta terça-feira (10.01) em Lisboa e contaram com a presença nomeadamente, de representantes da lusofonia.

Aplausos, rosas amarelas e cravos vermelhos marcaram o cortejo fúnebre de Mário Soares. As cerimónias com honras de Estado do antigo Presidente da República Portuguesa culminaram no Cemitério dos Prazeres, em Lisboa, onde o armão com a urna de Soares chegou ao meio da tarde, debaixo de fortes aplausos.

No cemitério, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, entregou aos filhos de Mário Soares a bandeira nacional que cobria a urna.

Durante a tarde, o cortejo fúnebre passou em frente ao Palácio Nacional de Belém, à Assembleia da República e à Fundação Mário Soares, bem como em frente à sede do Partido Socialista, no Largo do Rato. 

Foram muitos os portugueses que estiveram nas ruas de Lisboa para ver passar a urna de Soares. A Agência Lusa conta que um dos momentos mais emotivos foi no Largo do Rato, com a multidão a gritar “PS, PS”, “Soares é fixe, Soares é fixe" ou "Soares amigo, o povo está contigo".

A urna com os restos mortais do ex-Presidente socialista, falecido no passado sábado (07.01), esteve em câmara ardente no Mosteiro dos Jerónimos, onde decorreu uma sessão solene evocativa em sua homenagem.

Lusofonia no adeus a Soares

default

Cortejo fúnebre de Mário Soares

Políticos de todas as cores partidárias têm enaltecido o contributo de Soares para a conquista da liberdade e a afirmação da democracia em Portugal.

O Presidente angolano, Eduardo dos Santos, endereçou uma mensagem de pesar ao homólogo português, Marcelo Rebelo de Sousa, recordando a figura de Mário Soares como "uma referência incontornável". Luanda enviou a Lisboa o presidente da Assembleia Nacional de Angola, Fernando da Piedade Dias dos Santos, para participar no funeral.

Uma delegação do principal partido da oposição angolana, União Nacional para a Independência de Angola (UNITA), chefiada pelo seu líder, Isaías Samakuva, está igualmente em Lisboa desde segunda-feira (09.01), tendo-se associado às cerimónias. A comitiva, que integra Alcides Sakala, responsável pelas relações internacionais, esteve no Mosteiro dos Jerónimos a render tributo ao histórico socialista.

Os Presidentes José Mário Vaz, da Guiné-Bissau, e Carlos Fonseca, de Cabo Verde, foram algumas das personalidades dos países africanos de língua portuguesa que participaram nas cerimónias fúnebres do ex-chefe de Estado português.

Símbolo da democracia

Pelo Mosteiro dos Jerónimos, onde o corpo do antigo Presidente português esteve em câmara ardente, passaram vários cidadãos que quiseram prestar uma última homenagem a Mário Soares.

Portugal Beisetzung Mario Soares ehemaliger Premierminister (picture-alliance/AP Photo/A. Franca)

Presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa (2° a contra da direita) na cerimónia fúnebre

Para Rui Santos, ouvido pela DW, o antigo governante português "foi responsável e ajudou imenso na democratização, na estabilidade económica e política do país". "Foi um símbolo que é reconhecido internacionalmente e penso que representa o fim de uma era. Ele vai ficar na História", acrescentou.

António Simões, que esteve em África, nomeadamente na Guiné-Bissau e em Moçambique, nota que Mário Soares "foi um contributo muito bom na medida em que a descolonização não devia ser feita de outra maneira, sem dúvida, devido às condições nas Forças Armadas que já estavam saturadas". 

"É verdade que muitas vezes pode haver erros e há sempre pessoas prejudicadas, mas realmente nós fomos os últimos a descolonizar e tinha que ser mesmo assim, não podia ser de outra maneira. Mário Soares é uma referência para mim, é uma pessoa que realmente vai deixar muitas saudades", afirma António Simões.

Ricardo Mota, nascido no período da ditadura encabeçada por Salazar e que esteve na lista dos militares que rumaram em direção ao Ultramar para a guerra colonial, defende que Mário Soares "estava no sítio certo quando acontece o 25 de abril [de 1974]"."Na minha opinião, graças não sei a quem, era Mário Soares que estava naquela hora, naquele local, para decidir o que fazer com as ex-colónias [em África]. Portugal estava com meios económicos muito fragilizados". O português lembra que "com ajuda internacional, é evidente, conseguiu-se trazer aqueles portugueses, que se lá ficassem, em fogo cruzado, seria dramático". Para Ricardo Mota, Mário Soares foi o timoneiro da democracia portuguesa.

default

Anildo Monteiro: "Foi um grande Presidente"

Anildo Monteiro, cabo-verdiano há mais de 40 anos em Portugal, foi uma das pessoas que quis também prestar uma última homenagem a Mário Soares que, considera, "foi um grande Presidente".

"Ele lutou muito para hoje termos voz ativa para expressar o que a gente sente. Há muitos que não concordam mas para mim foi um dos melhores homens para a nossa independência, de Cabo Verde e das outras colónias", conclui Monteiro, que saiu de Cabo Verde, em 1971, para escapar à guerra na Guiné-Bissau.

Singular humanista, diz Rebelo de Sousa

No final da cerimónia evocativa, o Presidente da República portuguesa recordou Mário Soares como um "singular humanista e construtor de portugalidade". Para Marcelo Rebelo de Sousa, como "um homem que fez história", Mário Soares merecia ser homenageado num lugar como o Mosteiro dos Jerónimos.

António Costa fez questão de se juntar à sessão evocativa de homenagem ao líder histórico socialista. De visita oficial à Índia, o primeiro-ministro português, através de uma mensagem em vídeo, recordou o antigo Presidente como "o rosto e a voz da liberdade" em Portugal.

Ouvir o áudio 03:36

Portugal despediu-se do antigo Presidente da República Mário Soares

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados