1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

População angolana continuará com os mesmos problemas sociais em 2014

Em Angola 2014 começa com as mesmas dificuldades sociais. A melhoria de vida da população mostra-se uma miragem porque as políticas de desenvolvimento estão desfasadas, considera o analista angolano Nelson Pestana.

default

Região do Cazenga, em Luanda, Angola

No fim de 2013 o Presidente angolano disse, no seu discurso sobre o Estado da Nação, que "houve melhorias das condições de vida da população em vários dominíos".

Há quem reconheça os esforços do Governo do MPLA, no poder, mas pense que mais deveria ser feito, como é o caso do jornalista Adalberto José: "De facto houve alguns investimentos feitos na área energética e que começam a surtir alguns efeitos, isso é visível para quem viaja para as principais capitais do país."

Relativamente ao abastecimento de água o cenário não é o melhor: "Em relação ao setor da água ainda temos muitos problemas e Luanda é prova disso. Há investimentos que têm de ser feitos e como o Presidente reconheceu no discurso de fim do ano, apesar dos esforços ainda há muito por fazer. "

E o jornalista lembra também que "essas questões sociais fazem parte das promessas do MPLA... que devem ser feitos esforços para que haja melhorias sociais."

Mas o discurso de José Eduardo dos Santos também foi criticado por supostamente não refletir exatamente a realidade do país. E por isso para o ano que agora inicia as expetativas sobre as melhorias sociais são praticamente inexistentes.

Präsidentschaftskandidat Jose Eduardo dos Santos Angola

José Eduardo dos Santos, Presidente de Angola

Políticas desfasadas

O analista político angolano Nelson Pestana considera que a razão da atual situação, que ainda na sua opinião deverá continuar, deve-se a um desfasamento entre as políticas de desenvolvimento e as necessidades da maioria da população: "As políticas de desenvolvimento são ditadas de cima para baixo segundo os interesses daqueles que têm o poder."

Nelson Pestana recorda porém que a prática não tem trazido resultados satisfatórios: "Aliás, o grande objetivo estratégico definido pelo Presidente no discurso sobre o Estado da Nação, e que tem repetido em outras intervenções, é dotar de uma grande riqueza um grupo restrito que possa vir a ser a locomotiva do desenvolvimento, e essa política já dura há 15 anos..."

Por exemplo, há dias que a capital angolana enfrenta uma crise de falta de água. Os residentes são obrigados a consumir água imprópria para a saúde.

E ao mesmo tempo a empresa que fornece o precisoso líquido está em greve há mais de 11 dias por melhores condições.

Nelson Pestana, que reconhece também o esforço do Governo na melhoria das infra-estruturas, e que por isso haverá mais gente com acesso à água potável, exemplifica entretanto onde reside o desfasamento entre as políticas e a realidade: "Só que os ritimos de crescimento desses setores não acompanham os ritimos demográficos do país e por isso vai haver sempre um défice em relação ao acesso à água potável e em relação ao acesso à energia elétrica."

Bildergalerie Wasser in Angola

Uma mulher de Cazenga, Luanda, carrega água na cabeça

População aproveita investimento da indústria

O analista, entretanto, acredita que a situação seja melhor no acesso à energia elétrica do que no aceso à água potável devido à política de desenvolvimento que está direcionada para a indústria com vista à promoção do seu crescimento.

Relativamente à saúde, as expetativas de Pestana não são boas, considerando o Orçamento de Estado para este ano: "O plano de desenvolvimento do setor está ferido de dois problemas: o primeiro é que diminuiu a parcela do Orçamento de Estado para a saúde, e o segundo é que o dinheiro está destinado aos grandes hospitais, quando os probelmas estão nas pequenas unidades sanitárias."

Para o setor da educação, que também viu a sua fatia reduzida no Orçamento de Estado, Pestana prevê uma continuidade dos probelmas pois as apostas do Governo não são os setores críticos, o nível primário, e sobretudo o secundário, mas sim o universitário porque quer cumprir o plano nacional de fomação de quadros.

Uma decisão que é questionada pelo analista: "Que tipo de quadros se vão formar? ninguém sabe dar a resposta. Antevemos que serão quadros de má qualidade e que não estarão à altura de competir para os empregos de qualidade que o crescimento económico vai criar."

Em resultado dessa situação, a continuidade das manifestações não está fora de questão. As difícieis condições de vida da população poderão originar contestações contra o Governo.

Ouvir o áudio 04:32

População angolana continuará com os mesmos problemas sociais em 2014

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados